Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Cabo Verde/Fórum: Agenda 2030 precisa de compromisso com ciclos de desenvolvimento - PM

Logótipo de O Jogo O Jogo 20/10/2017 Administrator

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, apontou hoje como condição para vencer os desafios da Agenda 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) uma abordagem que privilegie ciclos de desenvolvimento em vez de ciclos de poder.

"A primeira condição para vencermos esses objetivos é ter desprendimento relativamente a ciclos de poder e ter todo o compromisso com ciclos de desenvolvimento", disse Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro cabo-verdiano falava hoje no encerramento do Fórum de Desenvolvimento Económico Local, que durante uma semana reuniu na cidade da Praia 2.800 participantes de 85 nacionalidades para abordar as perspetivas de desenvolvimento de uma perspetiva local.

Ulisses Correia e Silva considerou ainda que, para atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável, são necessárias políticas "assertivas, intencionais e consistentes" para poderem provocar os resultados.

"Para atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável, o grande desafio é coerência e consistência no tempo", disse.

Considerando o desenvolvimento local um tema muito caro a Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva sustentou que é "um compromisso político em primeiro lugar".

"Desenvolvimento local pressupõe atores locais e alguns desses atores são eleitos e esse compromisso exige a partilha de poder político e partilha de poder de intervenção da sociedade. E sem sociedades ativas, proativas e autónomas teremos atores locais condicionados", disse Ulisses Correia e Silva.

Destacou, por isso, a importância de "um estado parceiro" que fomente a partilha de "poder, recursos" e seja "interface de participação" de atores locais eleitos, organizações da sociedade civil e dos cidadãos.

"São estes os grandes motores que fazem transformações nas sociedades", acrescentou.

O primeiro-ministro cabo-verdiano considerou ainda que o fórum de desenvolvimento local, cuja candidatura foi lançada pelo anterior Governo do PAICV, mas defendida pelo próprio Ulisses Correia e Silva enquanto autarca da cidade da Praia, "é mais do que um evento, um momento e uma organização".

"Temos o compromisso de continuar a trabalhar e de levar a bandeira de desenvolvimento até ao próximo fórum que será dentro de dois anos", disse.

O IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local decorreu durante toda esta semana na cidade da Praia, naquela que foi a primeira realização do evento num país africano.

Numa operação logística sem precedentes em Cabo Verde, a organização estimou um impacto financeiro para a economia local de cerca de 600 mil euros em transportes, alojamento, alimentação, comunicações e lazer.

O número de participantes, inicialmente previsto pela organização em 2.000, atingiu os 2.800, 700 dos quais estrangeiros.

O próximo fórum decorre dentro de dois anos em local ainda a designar.

O fórum foi coorganizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, pela Organização Internacional do Trabalho, pelo Fundo Andaluz de Municípios para a Solidariedade Internacional e pela União de Governos e Cidades Locais, entre outras entidades.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon