Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Cabo Verde "pode ser muito útil" à OCDE -- MNE

Logótipo de O Jogo O Jogo 04/10/2017 Administrator

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, disse, hoje, na sede da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), em Paris, que "Cabo Verde pode ser muito útil à OCDE".

As declarações do chefe da diplomacia cabo-verdiana foram feitas à Lusa e RFI no final da sua intervenção no 17.º Fórum Económico Internacional sobre África, dedicado ao tema "Os Empresários e a Industrialização de África".

"Sabemos que não há países africanos que fazem parte da OCDE, mas Cabo Verde é um país que tem uma grande ambição de fazer parte da comunidade das nações e, sobretudo, ser útil ao mundo. Nós pensamos que Cabo Verde pode ser muito útil à OCDE, é um país do Atlântico Médio, com perspetivas económicas boas. Estamos a construir parcerias interessantes para o desenvolvimento do nosso país, para a estabilidade da nossa região e acredito que vamos chegar lá", afirmou.

Luís Filipe Tavares referiu que o processo de adesão de Cabo Verde à OCDE "vai iniciar agora" e que "leva tempo, quatro ou cinco anos", adiantando que uma delegação da organização vai deslocar-se à cidade da Praia nos dias 16, 17 e 18 de outubro.

"Vamos começar a discutir o Multi-dimensional Country Review que é um relatório sobre a economia cabo-verdiana e depois vamos iniciar o processo. É um processo longo, que leva tempo, quatro ou cinco anos, mas Cabo Verde está decidido em trabalhar para fazer parte de uma organização tão importante como é a OCDE", continuou.

O também titular da pasta das Comunidades e da Defesa mostrou-se consciente que "não é um processo fácil", sublinhando que, durante o seu discurso no fórum de hoje, afirmou que também "não era fácil" depois da independência quando "as pessoas achavam que o Estado era inviável". "Hoje temos um país viável, credível, uma democracia que funciona plenamente", resumiu.

"É mais um desafio para o nosso país. Nós somos um país resiliente, com gente que trabalha muito e vamos trabalhar para que a adesão de Cabo Verde à OCDE seja uma realidade nos próximos anos", disse.

Cabo Verde integra um centro de desenvolvimento da OCDE, uma organização onde atualmente não está nenhum país africano.

De acordo com as perspetivas económicas de 2017 da OCDE para Cabo Verde, disponíveis na página internet da organização, "depois de ter sofrido o impacto das crises financeiras que afetaram a Europa e o mundo, a economia de Cabo Verde está de novo a subir com mais de 3,2% em 2016" e "esta tendência deverá continuar e o PIB registar uma subida de 3,7% em 2017 e 4,1% em 2018".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon