Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

CAN2017: Jogadores da Guiné-Bissau recusam treinar até pagamento do prémio de qualificação

Logótipo de LusaLusa 07/01/2017 Mussá Baldé
José Sena Goulão/LUSA © LUSA / José Sena Goulão José Sena Goulão/LUSA

Bissau, 07 jan (Lusa) - Os jogadores da seleção de futebol da Guiné-Bissau recusaram hoje treinar até lhes serem pagos os prémios pela qualificação para a Taça das Nações Africanas de 2017 (CAN2017), a disputar no Gabão.

Fontes da federação guineense e da equipa técnica da seleção confirmaram à agência Lusa este boicote dos jogadores, que deveriam ter recebido, cada um, cerca de 50 mil euros pela inédita qualificação para a CAN2017.

Conseguido o apuramento para a fase final, que vai ser disputada entre 14 de janeiro e 05 de fevereiro, a federação deu conta da impossibilidade de cumprir este acordo, por falta de dinheiro.

Perante esta situação, os jogadores exigiram 10 mil euros, mas a federação mostrou-se apenas disponível para pagar metade deste montante. No entanto, ainda não foi feito nenhum pagamento, disseram alguns jogadores da seleção guineense à Lusa.

Por não acreditarem num pagamento depois da CAN2017, os jogadores recusam voltar a treinar, exigindo que os prémios sejam saldados antes da viagem para o Gabão.

Os três ‘capitães’ da seleção, Bocundji Cá, Zezinho e Jonas Mendes, foram chamados à presidência da República para um encontro com o Chefe do Estado, José Mário Vaz, na tentativa de resolver a questão.

A reunião também é presenciada pelo presidente da federação, Manuel Nascimento Lopes, e pelo selecionador guineense, Baciro Candé.

O Presidente guineense tem tentado arranjar verbas para cobrir o orçamento de cerca de 1,374 mil euros apresentado pela federação para pagar as despesas da CAN2017, mas fontes do Governo indicaram à Lusa que "não tem sido fácil conseguir o dinheiro" necessário.

Fonte da comissão preparatória da participação da Guiné-Bissau na CAN2017 adiantou à Lusa que o país pretende levar ao Gabão cerca de 200 pessoas, entre convidados da federação, jornalistas, elementos da claque organizada e membros do Governo.

Na sexta-feira, José Mário Vaz convocou representantes de várias empresas e bancos para lhes solicitar apoios, mas, segundo fontes governamentais, as respostas "ficaram aquém das expetativas".

A seleção guineense devia partir hoje para o Gabão mas, dadas estas dificuldades, a viagem só deverá ocorrer nos próximos dias, disse fonte da federação, que lamentou a situação, por prejudicar a preparação.

A Guiné-Bissau, única seleção lusófona na CAN2017, integra o Grupo A da competição, juntamente com Gabão, que defronta no jogo inaugural da prova, Camarões e Burkina-Faso.

MB // JP

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon