Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Casillas encontrou paz no FC Porto e tem o futuro planeado

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/04/2017 Alcides Freire

Guarda-redes dos azuis e brancos concedeu entrevista à Marca e falou sobre os planos para o futuro.

Mais uma época no FC Porto: "Gostaria de continuar, se ambas as partes estiverem de acordo. No ano passado tinha de me adaptar, não é fácil depois de 16 anos no Real Madrid. Mudar de cidade e tudo isso implica adaptação. Mas confiaram em mim e, este ano, já foi diferente".

© Leonel de Castro/Global Imagens

Ofertas para deixar o Dragão: "Para dizer a verdade, não me chegou nenhuma... Estou tranquilo porque quero continuar mais uma época aqui. A idade influencia e não estou tão atento ao que possa surgir de fora".

Regresso a Espanha no futuro? "Nunca pensei que pudesse viver no Porto, porque julgava que ia ficar em Madrid a vida toda. No futebol, as coisas mudam de dia para dia e o importante é desfrutar o momento. Acredito que não me restam mais do que cinco anos a jogar e, por isso, planeio as coisas dia a dia. Ganhei esse direito".

Estados Unidos, Catar ou China: "Tenho a sorte de estar a 500 quilómetros de casa e já tenho saudades de muitas coisas. Gosto desta ideia e não penso noutra coisa. Não sei o que se vai passar daqui a dois anos, mas estou aqui e gosto, sou feliz e adoro o bacalhau".

Paz no FC Porto: "Recuperei a paz há algum tempo. Agora tenho mais tranquilidade, estou bem. Gosto muito. Mas também gosto de desafios. Quando as coisas se complicam, gosto de dar a cara".

Fim de carreira e o que se segue: "Há uma altura em que pensas que está na hora de parar. Esta é uma carreira tão curta que, se puderes aproveitar mais dois ou três anos, deves desfrutá-los. Mas chegará um dia, com 38 ou 39 anos, em que direi: 'acaba aqui'. A minha cabeça e o físico respondem bem, por agora, e isso é o importante.

Ser treinador: "Não penso muito no final de carreira. Mas está mais próximo e vou pensando. Nos próximos meses quero conciliar o curso de treinador com a minha profissão. Vou tirar o curso, porque gosto de futebol e quero tê-lo, mas não porque quero treinar ao mais alto nível. Gostava de orientar miúdos. Ou estar vinculado ao futebol noutra vertente, mas, para isso, tenho de começar a trabalhar já, e não deixar para o último dia".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon