Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Catalunha: Anonymous reivindicam ataque a 'site' do Tribunal Constitucional

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/10/2017 Administrator

O grupo 'hacker' Anonymous reivindicou hoje a interrupção do serviço na página da internet do Tribunal Constitucional espanhol, num ciberataque registado esta manhã aparentemente em resposta à situação vivida na Catalunha.

Desde que o Tribunal Constitucional confirmou a "impossibilidade de aceder" temporariamente ao seu portal que havia a incerteza sobre a origem do problema.

Através da rede social Twitter, a organização Anonymous assumiu a responsabilidade, acrescentando ter estendido a ação a outros 'sites' de empresas privadas.

Os ativistas utilizaram o 'hashtag' (forma de agregar temas nas redes sociais) #OpCatalunya e #FreeCatalunya, numa referência à situação vivida na região.

A Generalitat (Governo Regional) organizou e realizou em 01 de outubro passado um referendo de autodeterminação, que foi considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional, que também recusou todo o processo que levou à consulta popular.

Segundo o Governo Regional, o "sim" à independência ganhou com 90% dos votos dos 43% dos eleitores que foram votar, tendo aqueles que não concordam com a independência da região boicotado a ida às urnas.

Depois de dias de 'braço de ferro' entre os dirigentes da Catalunha e do país, hoje o Conselho de Ministros espanhol vai aprovar, em Madrid, as medidas concretas para "restaurar a legalidade" na Catalunha, com uma intervenção direta prevista nas áreas da segurança, das finanças e em domínios exclusivos do presidente da região.

A decisão irá permitir uma intervenção direta no funcionamento da Generalitat, principalmente nas áreas da segurança, das finanças e em domínio exclusivos do presidente do Roverno Regional, Carles Puigdemont, que poderá manter-se no lugar, mas sem as suas principais competências.

A autonomia da região não será suspensa, mas Madrid passa a controlar a gestão corrente da Generalitat, de acordo com fontes do Governo.

O presidente do executivo autónomo poderá enviar a documentação necessária que estime ser conveniente, ir pessoalmente ao Senado ou enviar um representante.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon