Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Catalunha: Grupos de manifestantes no meio de turistas preparam-se para jornada de luta

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/10/2017 Administrator

O centro de Barcelona estava a ser hoje de manhã atravessado por grupos de centenas de jovens estudantes e outros de trabalhadores catalães em greve para manifestar o seu protesto contra a violência policial "desproporcionada" de domingo.

Muitos estabelecimentos comerciais estavam fechados e os manifestantes pacíficos cruzavam-se com os turistas que olhavam com ar desconfiado, mas pareciam não ter receio pela sua segurança.

"São pacíficos, mas nunca se sabe", disse Joe Kirwin à agência Lusa, acrescentando que alguns turistas de maior idade tinham preferido ficar no hotel: "Acha que devia ter feito o mesmo?", perguntou o norte-americano.

As associações cívicas pró-independência e os sindicatos marcaram uma greve geral para hoje com manifestações previstas para dezenas de locais em toda a Catalunha.

"Vamos concentrar-nos na Praça da Catalunha (centro) e depois percorrer a cidade até ao fim da tarde, quando houver a mega concentração na praça da Universidade", disse Alba Mari enquanto caminhava com uma dezena de colegas da universidade.

Helicópteros da polícia sobrevoavam o centro da cidade a observar os fluxos de estudantes, trabalhadores e turistas.

Várias ruas do centro também estavam a ser barradas ao tráfico por agentes da segurança com receio de que houvesse tensão junto às esquadras da polícia e sedes de partidos nacionais, principalmente o Partido Popular que sustenta, em Madrid, o Governo de Mariano Rajoy.

Noutras partes da Catalunha estavam previstas também centenas de ações e os manifestantes já tinham cortado a circulação em várias estradas e autoestradas da Catalunha, provocando filas superiores a 10 quilómetros, segundo as autoridades catalãs.

"O pedido de independência da Catalunha fica para outro dia", sublinhou Albert Duram, que também ia em direção de um dos pontos de encontro estabelecidos: "no final da semana, quando o Governo levar a questão ao parlamento regional, haverá mais novidades sobre isso", disse.

Os dirigentes sindicais da CCOO (Comissiones Obreras) e da UGT (União Geral de Trabalhadores) na Catalunha apelaram à sociedade catalã para participar nesta "paralisação geral" como resposta à "violência desproporcionada da atuação da Polícia Nacional e da Guardia Civil", mas sublinhando que não se trata de uma convocatória para uma greve geral, porque não tem por detrás um conflito laboral.

A mobilização para que apelaram a UGT e a CCOO circunscreve-se apenas ao dia de hoje, ao contrário da greve geral convocada por outra central sindical.

Estas confederações esclareceram ainda que "em nenhum caso apoiarão posições que deem cobertura a uma declaração unilateral de independência", porque não concordam com essa estratégia, preferindo apostar na "via da negociação política e institucional para solucionar o conflito político que existe na Catalunha".

A violência policial de domingo fez 893 feridos mas, apesar da repressão, 42% dos 5,3 milhões de eleitores conseguiram votar, e 90% deles a favor da independência, segundo o governo regional da Catalunha (Generalitat).

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon