Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Catalunha: opiniões dividem-se, mas artigo 155 ampara o Barcelona

Logótipo de O Jogo O Jogo 29/10/2017 Francisco Sebe
© EPA/Luis Tejido

O Barcelona já tinha afirmado querer manter-se em La Liga e qualquer alteração, que o artigo 155 deve impedir, poderia tardar seis anos.

O Parlamento catalão aprovou na sexta-feira, numa controversa sessão em que a oposição abandonou a sala, por uma maioria de 70 votos a favor, dez contra e duas abstenções a proposta da coligação no poder com vista a declarar a independência e abrir um processo que culmine na constituição de uma república da Catalunha.

As reações sucederam-se, em particular as oriundas do mundo do desporto - umas favoráveis, outras contra -, tal como a resposta governamental, que conseguiu a aprovação, no Senado, da aplicação do artigo 155 da Constituição de Espanha, uma solução inédita e extrema, para travar o processo independentista.

Do maior símbolo desportivo da Catalunha, um Barcelona que lidera folgadamente a liga espanhola de futebol e também domina em várias outras modalidades, a única coisa que se ouviu foi... silêncio. Não haverá qualquer posição oficial sobre o tema. O treinador, Ernesto Valverde, natural da Estremadura, admitiu seguir a situação, mas escusou-se a comentar. Quanto ao presidente, Bartomeu, já tinha dito há uma semana que o clube apoia as instituições e o povo daquela região autónoma, mas isso não significa, como sublinha a Imprensa espanhola, que esteja a favor de uma declaração que resultou de uma votação que se baseia numa lei que está suspensa pelo Tribunal Constitucional. Na mesma altura, o dirigente reiterou o desejo de permanecer em La Liga.

citacao"Nada muda. Foi consumada uma farsa. A Lei do Desporto ampara todos os clubes e desportistas, naturalmente incluindo os catalães", afirma José Lete

Por isso, e pela entrada em vigor do referido artigo 155, é expectável que nada mude no desporto do país vizinho, em especial uma hipotética saída do Barcelona do campeonato nacional. Qualquer alteração, refere o jornal "Marca", teria de passar por um pedido das federações catalãs das várias modalidades no sentido de serem reconhecidas como independentes. E que isso fosse aceite pelas instâncias internacionais, como a FIFA e a UEFA, no caso do futebol. Qualquer processo do género, diz o mesmo diário, poderá demorar até seis anos e não significa que tenha êxito, uma vez que, nas competições internacionais, são as federações nacionais que indicam quais os clubes que as disputarão, com base em critérios desportivos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon