Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Catalunha: Primeira-ministra da Escócia apela ao respeito pelo direito à autodeterminação

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/09/2017 Administrator

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, apelou hoje ao respeito pelo direito à autodeterminação da região espanhola da Catalunha, esperando que Madrid e Barcelona consigam retomar o diálogo político sobre esta matéria.

Apesar de reconhecer que é "inteiramente legítimo" que Espanha se oponha ao processo de independência da Catalunha, Nicola Sturgeon considerou que é "preocupante que um Estado (...) possa negar o direito de um povo expressar democraticamente" a sua vontade.

"O direito à autodeterminação dos povos é um importante princípio internacional e espero verdadeiramente que seja respeitado na Catalunha e em qualquer outro lugar", declarou a líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP) no Parlamento regional escocês.

Em setembro de 2014, o SNP conseguiu realizar um referendo sobre a independência da Escócia. A força nacionalista escocesa perdeu a consulta popular, com 55% dos eleitores a optarem então pela permanência no Reino Unido.

Em pleno braço de ferro entre Madrid e Barcelona por causa da realização de um referendo sobre a independência da Catalunha, agendado pelas autoridades regionais catalãs para o próximo dia 01 de outubro, a primeira-ministra escocesa defendeu a necessidade de as duas partes voltarem à mesa das negociações.

"Espero que um diálogo possa ser restabelecido entre o governo regional catalão e o governo espanhol para resolver esta situação", declarou Nicola Sturgeon.

"Tal seria preferível às imagens de polícias a apreenderem boletins de voto", prosseguiu a primeira-ministra escocesa, numa referência a uma operação da guarda civil espanhola que na quarta-feira apreendeu milhões de boletins de votos que deviam ser utilizados no referendo de 01 de outubro.

A quase uma semana da consulta popular, que ainda não se sabe se se vai realizar, tem aumentado a tensão entre os separatistas da Catalunha e as instituições espanholas que tentam impedir a realização do referendo.

A polícia espanhola confiscou na quarta-feira, nos arredores de Barcelona, quase 10 milhões de boletins de voto que iam ser utilizados no referendo e numa outra operação revistou uma série de edifícios do Governo regional e deteve 14 pessoas alegadamente envolvidas na preparação da consulta popular.

Na quarta-feira à noite, milhares de pessoas saíram às ruas em Barcelona em defesa do referendo pró-independência e em protesto contra a detenção das pessoas alegadamente envolvidas na preparação do processo da consulta popular.

As agências internacionais relataram que também foram registados protestos em outras cidades da região catalã e em Madrid.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon