Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

CD exige celeridade, Comissão de Instrutores destaca rapidez na resolução de processos

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/06/2017 Alcides Freire

A Comissão de Instrutores da Liga, em comunicado, refere que não vai alterar ou condicionar a sua atuação independentemente do maior ou menor impacto dos processos

Um dia depois de José Manuel Meirim, presidente do Conselho de Disciplina (CD) da FPF, ter apelado, através de um comunicado, à celeridade na investigação aos emails divulgados pelo FC Porto e que expressam uma alegada influência do Benfica na arbitragem, a Comissão de Instrutores (CI) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, também em comunicado, destacou que concluiu, até 8 de junho, 75% dos processos, quer os "transitados de épocas desportivas anteriores, quer os relativos à presente época".

José Manuel Meirim, recorde-se, exigiu "empenhamento redobrado" para que o "manto de suspeitas que escurece o universo das competições" e "todos os procedimentos disciplinares" tenham "a mais rápida resposta final possível, sublinhando a necessidade de "o CD da FPF e todos os operadores, desde logo a Comissão de Instrutores da Liga" fazerem "todos os esforços que são reclamados".

"Comparativamente com as últimas quatro épocas desportivas, a presente época é aquela que apresenta o maior número de processos instaurados: o acréscimo registado corresponde a mais de 18% em relação à época desportiva 15/16 e a mais de 31% em relação à época desportiva 14/15", referiu o CI em comunicado, publicado no site oficial da LPFP.

. © Fornecido por O jogo .

Hoje, o CI destacou que "tem pautado toda a sua atuação pelo dever de reserva e discrição, atuando, como lhe compete, com total independência, autonomia e equidistância. [...] A Comissão de Instrutores não pretende, em caso algum, alterar ou condicionar a sua atuação, que se manterá nos termos referidos, independentemente do maior ou menor impacto dos processos", referiu.

Segundo a mesma comissão da Liga, "de um total de 88 processos instaurados na presente época (15 processos de inquérito e 73 processos disciplinares), mais de 38% foram recebidos entre a segunda quinzena de março e a presente data". "Todos os procedimentos disciplinares (...) mantêm-se em segredo até à apresentação ao Conselho de Disciplina [da Federação Portuguesa de Futebol] de proposta de acusação, se da instrução tal resultar suficientemente indiciado; o mesmo se aplicando quando ocorre a conversão de um processo de inquérito em processo disciplinar", recordou ainda o CI.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon