Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

CDS questiona Governo sobre "situações de risco agravado para grávidas"

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/07/2017 Administrator

O CDS-PP quer saber se o Ministério da Saúde preveniu "situações de risco agravado para as grávidas", incluindo as de alto risco, provocadas pela greve de enfermeiros especialistas, numa pergunta entregue hoje pelo grupo parlamentar centrista.

"Sabendo antecipadamente da marcação desta greve de enfermeiros especialistas, e sabendo antecipadamente que os serviços mais afetados seriam os blocos de parto, que medidas tomou o Ministério da Saúde para prevenir situações de risco agravado para as grávidas, nomeadamente, as grávidas de alto risco?", questionam os deputados do CDS-PP.

Numa pergunta, subscrita por todos os deputados centristas e, em primeiro lugar, pela presidente do partido, Assunção Cristas, refere-se que, as grávidas de alto risco do Hospital de S. Bernardo, em Setúbal, estão a ser transferidas para outras unidades daquele hospital ou para o Hospital Garcia de Orta, em Almada.

"Em que condições estão a ser feitas estas transferências? Que apoio estão a ter estas mulheres durante todo este processo que, pelo stresse que provoca, pode elevar ainda mais o grau de risco a que já estão sujeitas?", perguntam os deputados do CDS-PP, que querem saber ainda "que medidas está o Ministério da Saúde a tomar para que situações como estas não voltem a ocorrer".

No Hospital de São Bernardo, em Setúbal, a enfermeira Susana Surribas, que integra o Movimento Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia (EESMO), disse que as grávidas de alto risco vão ser transferidas para outras unidades do Hospital de São Bernardo ou para o Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Desde as 00:00 de hoje que alguns enfermeiros especialistas se estão a recusar a prestar cuidados diferenciados em protesto contra não serem remunerados por esse trabalho.

Segundo a Ordem dos Enfermeiros, que apoia os profissionais neste protesto, existem cerca de 2.000 enfermeiros que, apesar de serem especialistas, recebem como se prestassem serviços de enfermagem comum.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon