Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Centro de saúde na região de Lisboa cria consulta para recrutar dadoras de leite materno

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/07/2017 Administrator

A primeira consulta para selecionar e recrutar mães lactentes interessadas em doar leite destinado a bebés prematuros está a arrancar num centro de saúde da região de Lisboa e Vale do Tejo.

Esta é a única zona do país a ter um banco de leite humano, que funciona na Maternidade Alfredo da Costa (MAC), tendo já ajudado desde 2009 mais de mil bebés a receberem leite de outras mulheres que não as suas mães.

Um protocolo que é hoje assinado entre o Agrupamento de Centros de Saúde de Lisboa Ocidental e Oeiras e o Centro Hospitalar que integra a Alfredo da Costa pretende ajudar a aumentar a oferta de leite humano pasteurizado para recém-nascidos muito prematuros, explicou à agência Lusa a enfermeira Ana Lúcia Torgal, coordenadora do projeto.

Apesar de o banco de leite funcionar na MAC, o leite doado pode ser fornecido a outras unidades de cuidados intensivos neonatais da área de Lisboa, mediante pedidos e protocolos estabelecidos entre as várias instituições.

O leite materno tem várias vantagens quando comparado com o leite artificial, sobretudo no que se refere aos prematuros, a quem é destinado este leite doado, sublinha Ana Lúcia Torgal.

O leite humano reduz em cerca de 30% o risco de enterocolite (inflamação intestinal) e em cinco vezes o risco de intolerância alimentar.

O agrupamento de centros de saúde de Lisboa Ocidental e Oeiras pretende ajudar a recrutar mais mães lactentes, aumentando a quantidade de leite disponível para os grandes prematuros.

Segundo Ana Lúcia Torgal, a ideia deste projeto surgiu com a dificuldade que muitas vezes a Maternidade Alfredo da Costa sente em ter doações de leite materno, até porque muitas das mulheres que podem ser candidatas acabam por circular mais nos cuidados de saúde primários.

Para isso foi criada uma consulta específica, que é gratuita e funcionará no centro de saúde de Oeiras, onde é aferido se as potenciais dadoras de leite cumprem os requisitos necessários. Um dos objetivos é conseguir 12 mães dadoras no primeiro ano de funcionamento.

A doação de leite materno deve ser iniciada durante os primeiros quatro meses de vida do bebé, sendo que a mãe não deve ainda ter iniciado o desmame do bebé. Só é aconselhável ser doadora até 12 meses depois do nascimento da criança.

Depois de numa consulta do centro de saúde serem selecionadas as dadoras, que têm de ser saudáveis e mães de crianças saudáveis, enfermeiros deslocam-se às casas das mães escolhidas para averiguar as condições da habitação.

As mães recebem do centro de saúde material para poderem fazer a recolha do leite e o congelamento, além de instruções do modo como deve ser extraído e conservado o leite.

"Há cuidados específicos a ter, nomeadamente a higiene das mãos e das mamas e ter atenção para não contaminar os frascos. Exige um cuidado rigoroso. É para grandes prematuros, não é um bebé saudável que vai receber o leite", especificou Ana Lúcia Torgal.

Depois, o centro de saúde recolhe nas habitações das dadoras o leite congelado, conservando-o num congelador específico cedido pela Maternidade Alfredo da Costa.

A pasteurização do leite doado fica também a cargo da MAC, a maior maternidade do país.

Os materiais que serão distribuídos às dadores de leite recrutadas pelo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras foram angariados através de um prémio atribuído pela Missão Continente.

O projeto "Promoção e Apoio do Aleitamento Materno num ACES Amigo dos Bebés" recebeu precisamente um dos prémios da Missão Continente, no valor de 36.863 euros. Esta verba será ainda aplicada em equipamentos e material médico e de enfermagem, mobiliário, equipamento informático e audiovisual, material didático, obras e formação.

A ideia é formar os profissionais de saúde deste ACES nesta área de prestação de cuidados a grávidas, mães e bebés.

Este ACES da região de Lisboa e Vale do Tejo é até agora o único em Portugal a ter recebido a certificação como "Unidade de Saúde Amiga dos Bebés" pela UNICEF, que chegou em setembro do ano passado.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon