Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Centro Português de Fotografia inaugura exposição sobre prisões nacionais em setembro

Logótipo de O Jogo O Jogo 22/08/2017 Administrator

O Centro Português de Fotografia (CPF), no Porto, inaugura no dia 08 de setembro a exposição "The portuguese prison photo project", uma mostra que reúne mais de 100 imagens que retratam "uma visão cruzada das prisões em Portugal".

"Quem é que já viu uma prisão do lado de dentro?" foi o desafio lançado a dois fotógrafos -- o português Luís Barbosa e o suíço Peter M. Schulthess --, que nesta mostra procuram transmitir "uma visão das prisões contemporâneas e históricas de Portugal", refere em comunicado o CPF, que está em si sediado na antiga Cadeia da Relação do Porto.

Às imagens captadas pelos dois fotógrafos, no ano passado e este ano, acrescem outras fotos históricas pertencentes aos arquivos nacionais, tendo a mostra 150 fotografias.

As abordagens dos dois fotógrafos "traduzem-se em duas perspetivas completamente diferentes", com Luís Barbosa a procurar "apresentar o ponto de vista dos detidos, privilegiando o ambiente em fotografias a preto e branco", e Peter Schulthess a documentar "as prisões de um ponto de vista mais institucional, usando para isso uma câmara de alta resolução e cor para revelar os mínimos pormenores".

"As fotografias históricas são uma representação das prisões do passado e das respetivas condições de vida", acrescenta o CPF.

A mostra surge depois de Daniel Fink, professor de História das Prisões na Universidade de Lausanne (Suiça), visitar o CPF, o que o levou a desenvolver a ideia de ali realizar uma exposição fotográfica sobre o tema.

Com os dois fotógrafos, a direção do CPF e investigadores das universidades do Porto e Lausanne, nasceu este projeto de cooperação, que inclui a realização de uma conferência internacional, nos dias 12 e 13 de outubro, em que serão abordadas, entre outras temáticas, "quais são as possibilidades e os limites da análise dos sistemas penitenciários nacionais" e "como evoluiu o tratamento das prisões como tema de fotografia".

Este trabalho conta ainda com a colaboração da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, que autorizou Luís Barbosa e Peter Schulthess a entrar em seis prisões no norte do país e numa em Lisboa.

"A exposição dos dois fotógrafos oferece uma visão cruzada das prisões em Portugal, desde as maiores às mais pequenas, de prisões que remontam a 1880 às inauguradas em 2014, de prisões masculinas até às prisões destinadas aos jovens", explica o CPF.

Luís Barbosa, nascido em 1975 no Porto, é fotógrafo e formador no Instituto Português de Fotografia e especializou-se em documentação fotográfica de cariz social e cultural.

Já Peter Schulthess, especializado em fotografia de arquitetura, designadamente prisões, nasceu em 1966 em Basileia, na Suiça, sendo membro da SBF (Swiss professional Photographers) e da Photo Designers SBF.

As fotografias antigas apresentadas na mostra, que estará patente ao público até ao dia 03 de dezembro, foram realizadas entre 1876 e 1974 e escolhidas num universo de muitas centenas pertencentes aos acervos de diversos arquivos públicos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon