Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Cerca de 30 trabalhadores do Dia/Minipreço manifestam-se contra discriminação salarial

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/08/2017 Administrator

Cerca de 30 trabalhadores dos supermercados Dia/Minipreço manifestaram-se hoje em frente do armazém de Zibreira, em Torres Novas, distrito de Santarém, protestando contra a discriminação salarial e o assédio moral que dizem existir no grupo, segundo fonte sindical.

Valter Ferreira, da direção CESP - Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, ligado à CGTP, afirmou à Lusa que "os trabalhadores aprovaram uma moção que entregaram à direção do armazém" na qual alegam, nomeadamente, "não aceitar a situação de descriminação salarial entre trabalhadores com a mesma categoria profissional e antiguidade".

Além disso, nela se defende "o fim do assédio moral", exigem-se "aumentos salariais" e apela-se para a "dignificação das carreiras profissionais dos trabalhadores de armazém".

Os trabalhadores dizem estar a ser "discriminados nos salários, quando estão doentes ou exercem o direito à parentalidade", disse Valter Ferreira, indicando também que a adesão à hoje à greve de hoje no primeiro turno no armazém de Santarém situou-se entre 50% a 60%.

O sindicato acusa a cadeia Dia Portugal Supermercados (lojas Dia/Minipreço e Clarel) de praticar "diferenças salariais gritantes" com trabalhadores com a mesma categoria profissional e antiguidade.

Fala ainda de "situações de assédio moral" no grupo de supermercados, onde refere "existirem constantes ameaças de despedimento, tentativas de impedimento a conciliação da vida familiar com a vida profissional, limitação do direito à greve e abusos de autoridade".

O sindicado exige "aumentos salariais dignos", apesar de o grupo atualizar anualmente os salários, mas alega que são "muito abaixo da inflação".

O CESP - Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, marcou para hoje uma greve para todos os trabalhadores das lojas e escritórios do grupo Dia/Minipreço.

Já os trabalhadores do armazém da Zibreira, em Torres Novas, onde se realizou a concentração, fazem quatro dias de greve, cujo "pico da luta coincide com o dia de hoje", e que termina na quinta-feira, esclareceu o sindicalista.

Nos últimos meses, o CESP tem convocado várias ações de protesto à porta das lojas, a fim de chamar a atenção para as condições de trabalho no Dia/Minipreço, sendo que em meados de julho terminaram sem acordo as negociações entre a empresa e o sindicato sobre o caderno reivindicativo dos trabalhadores.

O sindicato "não descarta outras ações de luta", caso a administração não responda favoravelmente à moção entregue pelos trabalhadores, disse à Lusa o mesmo dirigente sindical.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon