Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

China considera cooperação marítima "essencial" na colaboração com Portugal

Logótipo de O Jogo O Jogo 30/10/2017 Administrator

O diretor da Administração do Oceano do Estado chinês (SOA), Wang Hong, disse hoje que a cooperação marítima é "parte essencial" da colaboração entre Portugal e a China, apontando o novo perfil da diplomacia chinesa.

"O oceano é uma porta importante para a China abraçar todo o mundo", lembrou Hong, durante um seminário em Pequim, que contou com a presença da ministra do Mar portuguesa, Ana Paula Vitorino.

Vitorino encontra-se numa visita de oito dias à China, com uma comitiva que inclui 39 empresas portuguesas.

Wang Hong afirmou que o "Governo chinês está disposto a definir um novo quadro de parceria azul com diferentes países", visando uma globalização económica "mais aberta, exclusiva e benéfica para todos".

Pequim investiu nos últimos anos em dezenas de portos por todo o mundo, desde a Austrália à Europa, convertendo os operadores portuários chineses em líderes mundiais.

Em 2015, quase dois terços dos 50 maiores portos de contentores do mundo tinham recebido investimento chinês, segundo uma pesquisa realizada pelo jornal Financial Times.

Os investimentos fazem parte da nova dinâmica da diplomacia da China, que desde a ascensão ao poder do Presidente Xi Jinping quebrou com a presença discreta na cena internacional, para se assumir como uma grande potência, pronta a intervir nas questões globais.

O seminário de hoje foi dedicado à cooperação marítima entre Portugal e a China no âmbito de um gigante projeto de infraestruturas lançado por Xi, que coloca a China no centro da futura ordem mundial.

Designado 'Faixa e Rota', o plano visa reativar a antiga via comercial entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e sudeste Asiático.

Inclui uma malha ferroviária de alta velocidade, portos e autoestradas, e vai abranger 65 países e 4,4 mil milhões de pessoas - cerca de 60% da população mundial.

Portugal já afirmou por várias vezes a intenção de integrar a iniciativa, com a inclusão do porto de Sines.

Na sua intervenção, Ana Paula Vitorino lembrou que "Portugal se quer afirmar como um 'hub' logístico e global na área atlântica" e "duplicar o valor da economia azul", para passar a figurar entre as cinco economias do mundo em que as atividades marítimas têm maior peso no conjunto da economia.

"Somos um pequeno país em área imersa e um grande país já hoje em toda a área sob soberania nacional", disse.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon