Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

China inaugura no Corno de África primeira base militar no estrangeiro

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/08/2017 Administrator

A China abriu hoje oficialmente a sua primeira base militar no estrangeiro, no Djibuti, no corno de África, no dia em que o Exército de Libertação Popular (ELP) celebra 90 anos, informou a imprensa oficial.

Segunda maior economia do mundo, a seguir aos Estados Unidos, e país mais populoso do planeta, a China não tinha uma presença militar permanente fora do país desde a Guerra da Coreia (1950-53).

A inauguração da base militar no Djibuti servirá para apoiar missões antipirataria, de manutenção da paz e assistência humanitária em África e na Ásia ocidental, de acordo com Pequim.

As autoridades inauguraram a instalação com uma cerimónia onde estiveram mais de 300 pessoas, entre as quais o ministro da Defesa do Djibuti e o subcomandante da Armada chinesa Tian Zhong, segundo o Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista Chinês.

A República do Djibuti está situada no sul do mar vermelho, no Corno de África, entre a Eritreia, Etiópia e a Somália.

A inauguração desta base militar estratégica coincide com o 90.º aniversário do exército chinês.

Durante um discurso feito hoje no Grande Palácio do Povo, a propósito da efeméride, o Presidente chinês, Xi Jinping, assegurou que Pequim "nunca invadirá outros países", mas que "está pronto a lutar contra qualquer invasão estrangeira".

Xi afirmou que o exército devolveu à China a dignidade como uma grande potência.

A abertura da base no Djibuti ilustra também a expansão do alcance das Forças Armadas chinesas, acompanhando a crescente influência da China no continente africano.

O país asiático é o principal parceiro comercial de África, de onde importa grande parte das matérias-primas de que precisa.

Desde a ascensão ao poder de Xi Jinping, a China adotou uma política externa mais assertiva, nomeadamente com a fundação de um novo banco internacional e o lançamento de um gigante plano de infraestruturas, designado Nova Rota da Seda e que visa reativar a antiga via comercial entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e sudeste Asiático.

Nos últimos anos, Pequim passou também a reclamar a quase totalidade do Mar do Sul da China, onde construiu ilhas artificiais capazes de receber instalações militares em recifes disputados pelos países vizinhos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon