Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Cinemateca homenageia Baptista-Bastos com a exibição de dois filmes

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/07/2017 Administrator

O jornalista e escritor Armando Baptista-Bastos, falecido em maio passado, é evocado na próxima semana, na quarta-feira, na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, com a exibição de dois filmes de Fernando Lopes.

Na quarta-feira, pelas 19:00, são exibidos os documentários "Belarmino" (1964), no qual Baptista-Bastos colaborou, e "As Palavras e os Fios" (1962), para o qual escreveu o argumento.

Em comunicado, a Cinemateca realça que Baptista-Bastos (1933-2017) se "cruzou cedo com o cinema, quando assinou a coluna de crítica 'Comentário de Cinema' n'O Século Ilustrado, de que foi subchefe de redação".

"A sua cumplicidade lisboeta com Fernando Lopes, com quem colaborou na RTP e de quem era amigo chegado, confunde-se no entanto com as suas incursões no cinema português", sublinha a Cinemateca.

O documentário sobre o pugilista Belarmino Fragoso regista uma entrevista de Baptista-Bastos ao atleta e, na ficha técnica, é referida a sua colaboração técnica e artística.

A Cinemateca cita um texto de Baptista-Bastos, "Dissertação sobre o Ofício da Amizade", escrito para o catálogo "Fernando Lopes por Cá" (1996), no qual, referindo-se ao seu relacionamento com o realizador, escreveu: "O nosso 'gentleman's agreement' [acordo de cavalheiros] não exigia total aceitação das ideias de cada qual; mas implicava, pelo menos, a sua compreensão e discussão. Deixando-se de compreender e de discutir, a validade da união tornava-se ambígua e inútil por insubstancial. Éramos quantos? Fomos todos".

Jornalista desde os 19 anos, quando começou n'O Século, Baptista-Bastos estreou-se editorialmente com o ensaio "O Cinema na Polémica do Tempo" (1959), a que se seguiu outro ensaio, "O Filme e o Realismo" (1962).

Data de 1963 a sua estreia na ficção com "O Secreto Adeus".

Baptista-Bastos é autor de mais de duas dezenas de livros. Entre os mais recentes cite-se "A Bolsa da Avó Palhaça", o livro de crónicas "A Cara da Gente" e "As Bicicletas em Setembro".

Publicou mais de uma dezena de títulos de ficção, entre os quais "Cão Velho entre Flores" (1974), "A Colina de Cristal" (1987), "O Cavalo a Tinta-da-China" (1995) e "No Interior da Tua Ausência" (2002).

Ao longo da carreira, conquistou vários prémios, designadamente, o Prémio Literário Município de Lisboa, em 1987, pelo romance "A Colina de Cristal", que lhe valeu também o Prémio P.E.N. Clube Português de Ficção, no ano seguinte.

Em 2002, recebeu o Prémio da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários, pela obra "No Interior da Tua Ausência". Em 2003, venceu o Grande Prémio de Crónica da Associação Portuguesa de Escritores, pelo livro "Lisboa Contada pelos Dedos".

Em 2006, recebeu os prémios de Crónica da Sociedade da Língua Portuguesa João Carreira Bom e do Clube Literário do Porto.

O jornalista e escritor morreu aos 83 anos, no passado dia 09 de maio, em Lisboa.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon