Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Coação são conversas e informações passadas ao Benfica"

Logótipo de O Jogo O Jogo 29/08/2017 Alcides Freire
© Fornecido por O jogo

Francisco J. Marques reage ao comunicado do Benfica após o empate encarnado com o Rio Ave

"O Benfica pode falar à vontade, mas o FC Porto não fez coação: comparou lances do jogo de Braga, do jogo com o Estoril e de Vila do Conde, todos arbitrados por Hugo Miguel", afirmou Francisco J. Marques, diretor de comunicação e de informação do FC Porto. Comentando o comunicado do Benfica, publicado no site do clube ao início da madrugada de domingo - depois do empate encarnado com o Rio Ave -, o diretor portista prosseguiu: "Quando falamos de coação, convém termos noção do que estamos falar. Isso é o que o Benfica faz aos árbitros. Fazer coação é obter informações sobre a vida íntima e privada dos árbitros. E o Benfica faz isso. Não revelámos quem para preservar a identidade e intimidade, mas foi entregue à PJ, que está a investigar. Não somos nós que estamos a ser investigados, é o Benfica, por monitorizar SMS do presidente da FPF. Porque se faz isso? Coação são conversas e informações passadas pelo Nuno Cabral ao Benfica, a Paulo Gonçalves e Luís Filipe Vieira. É o que o Ferreira Nunes fez durante muito tempo sobre os árbitros ao serviço de quem se sabe. Exemplos de coação há muitos e todos ligados ao Benfica. Acusar o FC Porto é ridículo", afirmou no programa Universo Porto, transmitido no Porto Canal.

"Nós só queremos que aos 18 competidores sejam dadas as mesmas condições. Convém não esquecer que foi o presidente do Benfica que quis dar cabo da nota a um árbitro e que essa foi a maior descida de sempre de uma nota. Isso aconteceu depois de Luís Filipe Vieira ter dito que 'temos de lhe dar cabo da nota'", concluiu Francisco J. Marques.

O melhor do MSN em qualquer dispositivo


AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon