Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Comissão de Coordenação do Centro destaca aproveitamento de fundos comunitários

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/10/2017 Administrator

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, congratulou-se hoje com a presença consecutiva de dois projetos entre os finalistas dos Prémios RegioStars, que distinguem os bons exemplos de aplicação dos fundos comunitários.

"É sempre bom e um desafio quando alguém que tem a importância da Comissão Europeia nos diz que aplicámos bem os fundos comunitários em determinado projeto. No ano passado, venceu o Centro Bio da BLC3 e este ano a Aceleradora de Empresas do Instituto Pedro Nunes (IPN) é um forte candidato à vitória", sustentou.

O Projeto TecBIS - Aceleradora de Empresas do Instituto Pedro Nunes (IPN) está entre os finalistas dos prémios RegioStars 2017, um galardão em que a Comissão Europeia distingue projetos inovadores e de boas práticas de desenvolvimento regional, apoiados por fundos europeus. O vencedor será conhecido na terça-feira, numa cerimónia que terá lugar em Bruxelas, onde decorre até quinta-feira a Semana Europeia das Regiões e das Cidades.

Este é o segundo ano consecutivo que a CCDRC tem um projeto que é finalista nos Prémios RegioStars, tendo em 2016 o projeto "Centro BIO: Bioindústrias, Biorrefinarias e Bioprodutos", da BLC3 - Campus de Tecnologia e Inovação, de Oliveira de Hospital, arrecadado a distinção na categoria de crescimento sustentável.

Em declarações à agência Lusa, Ana Abrunhosa sublinhou que a região Centro tem "vários projetos muito interessantes" e que candidatou dois projetos aos Prémios RegioStars deste ano, tendo a candidatura do TecBIS do IPN chegado aos finalistas.

"É uma estrutura tecnológica, de interface, com várias vertentes, que é importantíssima. A sua génese está ligada a uma das mais importantes universidades do mundo, a de Coimbra, e tem um conjunto de laboratórios e uma incubadora que serviu de berço a empresas que são hoje globais", destacou.

No seu entender, a candidatura aos prémios da Comissão Europeia deixou bem vincada toda a importância que o IPN tem na região, com parcerias com municípios e inserido em verdadeiras redes internacionais e que tem na aceleradora de empresas "uma infraestrutura tecnológica de excelência".

"O IPN é uma referência mundial que temos de divulgar e esta nomeação para os prémios RegioStars já é uma excelente divulgação, pela própria Comissão Europeia, mesmo que não ganhe", apontou.

O projeto da Aceleradora de empresas está em concurso na categoria "Especialização inteligente para a inovação das PME's", disputando o prémio com outros quatro projetos.

"É muito bom quando subimos ao palco, dá-nos uma autoestima tão grande que vale a pena prepararmos e pensarmos estas candidaturas com um ano de antecedência, mesmo que não saibamos o tema. É o segundo ano em que a região Centro é a única finalista", evidenciou.

Sobre o IPN, a presidente da CCDRC disse ainda que se trata de uma entidade sempre inquieta, que quer sempre fazer mais e melhor.

"O IPN tem uma parceria com 17 municípios e já desafiei a que aumente essas parcerias. Tem uma responsabilidade social na região que assumiu e que nós temos de reconhecer e valorizar", concluiu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon