Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Comissão eleitoral angolana convida União Europeia para observar eleições de agosto

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/07/2017 Administrator

O presidente da Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola negou hoje que aquele órgão tenha enviado tardiamente o convite à União Europeia, para observar as eleições gerais de agosto, afirmando ser do interesse da instituição aquela presença.

André da Silva Neto falava à imprensa, em Luanda, no final de uma reunião sobre a segurança do processo eleitoral promovida pelo Ministério do Interior de Angola, juntamente com os partidos concorrentes às eleições, tendo negado informações recentes sobre um alegado atraso no envio do convite à União Europeia.

"Neste momento, os convites estão a ser endereçados a todos os observadores internacionais e quero aqui reiterar a nossa firme vontade de ver a União Europeia engajada nesse processo", disse André da Silva Neto.

Acrescentou que a CNE enviou o convite à União Europeia "em devido tempo", insistindo em que não há qualquer atraso da parte angolana.

As eleições gerais angolanas, para eleição do parlamento e escolha, por via indireta, do próximo Presidente da República, estão agendadas para 23 de agosto.

"Ainda há tempo para dialogar e encontrarmos o consenso com a União Europeia, porque é nossa vontade que a mesma esteja presente na observação deste processo", explicou.

Acrescentou que "as limitações de convites" para observadores internacionais "estão previstas por lei".

"Os convites para os observadores eleitorais estrangeiros é um processo que a nossa lei eleitoral normativa e há prazos a cumprir", apontou.

Na ocasião, André da Silva Neto enalteceu igualmente a reunião que foi promovida pelo Ministério do Interior, assinalando ter sido bastante produtiva para os intervenientes ao processo eleitoral.

"Foi um diálogo frutífero com os partidos políticos, na qual foram traçadas orientações sobre a forma como devem lidar com o Ministério do Interior neste processo, que culminara com as eleições de agosto", argumentou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon