Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Companhia de bioenergia angolana investe 10,5 MEuro para aumentar produção

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/07/2017 Administrator

A companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) investiu 12 milhões de dólares (10,5 milhões de euros) na compra de novos equipamentos para preparação da safra 2017/2018, prevendo um crescimento de 15% na produção de açúcar.

A informação foi hoje distribuída à imprensa pela companhia, em comunicado, onde realça como necessidade de investimentos também o aumento da área de colheita de cana-de-açúcar, de 9.272 hectares na safra de 2016/2017, para 12.600 hectares na colheita atual, iniciada em finais de junho último.

No leque de novas aquisições constam colhedoras de cana-de-açúcar, tratores agrícolas, equipamentos para produção de biomassa, bem como outros equipamentos de auxílio à preparação do solo e plantio.

De acordo com a empresa, a previsão de produção de açúcar na atual safra, que decorre até 2018, é de 62.947 toneladas, contra 52.000 toneladas produzidas na anterior, sendo que para se atingir a meta deverão ser processadas, na unidade agroindustrial da empresa no município de Cacuso, província de Malange, 601 mil toneladas de cana-de-açúcar, contra as 510.000 processadas em 2016.

Além dos brasileiros da Odebrecht, que lideram o projecto, a Biocom é participada pelos angolanos da Sonangol e do grupo Cochan.

Este ano, entre 29 de junho e 10 de julho, informa a nota, foram já produzidas 2.421 toneladas de açúcar, um aumento no volume justificado pela Biocom com a contínua expansão da plantação da cana-de-açúcar e ganhos de produtividade, quer na área agrícola quer na componente industrial.

Para a sua fase de maturidade, a empresa prevê atingir, na safra 2020/2021, metas de produção fixadas em 256.000 toneladas de açúcar, o equivalente a cerca de 60 por cento de todo o consumo do produto no país.

Além do açúcar, a Biocom prevê produzir na safra 2017/2018 um total de 15.278 metros cúbicos de etanol, contra os 14.263 metros cúbicos de 2016, fornecer 200 mil MegaWatts de energia elétrica, contra os 57 mil MegaWatts do ano anterior.

A informação adianta ainda que a produção de etanol, entre 29 de junho e 10 de julho, foi de 650 metros cúbicos, prevendo-se para 2020/2021 que se atinjam os 33.000 metros cúbicos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon