Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Confrontos em Goma (RDCongo) durante manifestação anti-Kabila para exigir eleições

Logótipo de O Jogo O Jogo 31/07/2017 Administrator

Dezenas de manifestantes entraram em confronto com a polícia em Goma, leste da RDCongo, durante uma manifestação de protesto contra a manutenção de Joseph Kabila na Presidência do país, que inviabiliza a realização de novas eleições.

A manifestação, uma "marcha pacífica", foi organizada pelo movimento Luta para a Mudança (Lucha), organização ligada aos "jovens indignados", para "dizer não" à presidência vitalícia de Joseph Kabila e exigir eleições presidenciais até ao fim do ano.

Várias coligações e personalidades da oposição apoiaram a iniciativa, depois de terminar o prazo do adiamento pedido pela Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) ter adiado a realização das presidenciais.

Segundo a agência France Presse, cerca de uma dezena de manifestantes foi interpelada pela polícia em Goma, enquanto outros continuavam os confrontos, atirando pedras contra os agentes da polícia e a erguer barricadas, respondendo as autoridades policiais com granadas de gás lacrimogéneo na tentativa de os dispersar.

Em Bukavu, capital da província de Kivu do Sul (leste) os manifestantes que se reuniram na praça da independência foram dispersados pela polícia, que utilizou gás lacrimogéneo nesse sentido, não tendo sido registadas quaisquer detenções nem interpelações.

Em Kinshasa, a capital onde vivem mais de 10 milhões de habitantes, a polícia antimotim foi destacada para a avenida central da cidade e para defronte da sede do Parlamento, enquanto patrulhas motorizadas e a pé se mostravam aos que tentavam dar início à marcha.

A marcha, que acabou por não se realizar, deveria seguir até à sede da CENI.

As eleições presidenciais devem ser realizadas até ao fim do ano se for cumprido o acordo assinado pelo poder e oposição a 31 de dezembro de 2016, sob a égide da igreja católica congolesa.

No entanto, a 07 deste mês, o presidente da CENI afirmou ser "impossível" organizar eleições presidenciais até ao final do ano.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon