Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Congo-Brazzaville quer renegociar dívida com credores

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/10/2017 Administrator

O Congo-Brazzaville anunciou hoje que quer renegociar com os credores os termos da sua dívida, estimada em 110% do PIB pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que completou agora uma missão naquele país produtor de petróleo da África Central.

"O contexto atual exige que sejam adotadas medidas imediatas para melhorar a situação da dívida", indicou o Governo congolês num comunicado emitido após o fim da missão do FMI, que decorreu entre 26 de setembro e 04 de outubro.

"A República do Congo pretende acelerar as negociações para obter um programa apoiado pelo FMI, embora preservando as conquistas sociais", acrescenta o Governo, numa altura em que um programa semelhante foi já concluído com outros países da África Central afetados pela queda dos preços do petróleo.

No seu próprio comunicado, o FMI avaliou a dívida do Congo "em cerca de 110 por cento" do Produto Interno Bruto (PIB), ou seja "5.329 mil milhões de francos CFA" (cerca de 9,14 mil milhões de dólares norte-americanos), sem "as dívidas litigiosas nem as dívidas domésticas acumuladas desde 2014".

O FMI confirmou no início de agosto que o Congo tinha escondido uma parte da sua dívida, que Brazzaville avaliou em março em 77% do seu PIB.

"A atividade económica continua a contrair-se, enquanto os depósitos do Governo diminuem", indicou a missão do FMI, referindo "um eventual programa apoiado pelo FMI para restaurar a estabilidade macroeconómica e promover um crescimento sustentado e inclusivo".

As negociações com o FMI foram iniciadas com os outros países da África Central (Gabão, Guiné Equatorial, Camarões, Chade e República Centro-Africana) após uma cimeira em Yaundé, no final de dezembro, que contou com a presença da diretora-geral do FMI, Christine Lagarde.

Uma desvalorização do franco CFA foi descartada mediante a intervenção do FMI nos países afetados pela crise do petróleo, tendo a organização acordado em junho um empréstimo de 642 milhões de dólares ao Gabão.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon