Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Congressista democrata californiano lança processo para destituição de Trump

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/07/2017 Administrator

Um congressista democrata, eleito pelo Estado da Califórnia, apresentou hoje a primeira iniciativa legal com vista à destituição ('impeachment') de Donald Trump da Presidência dos EUA.

Brad Sherman, que integra a Câmara dos Representantes, acusou Trump de obstruir as investigações à interferência da Federação Russa nas eleições presidenciais de 2016, em parte por demitir o então diretor da polícia federal (FBI, na sigla em inglês), James Comey.

Sherman reconheceu que a sua iniciativa, designada formalmente como artigo para a destituição e consistente em uma série de acusações, "é o primeiro passo em uma estrada muito comprida".

Mas, em comunicado, manifestou-se esperançado em que, "se a incompetência impulsiva continuar, então, eventualmente, dentro de muitos, muitos meses, os republicanos vão juntar-se ao esforço para a destituição".

Este esforço tem poucas possibilidades de êxito na Câmara dos Representantes, dominada pelo partido republicano.

Sherman nem sequer tem o apoio de muitos dos seus correligionários democratas.

Os próprios líderes dos democratas têm-se distanciado dos esforços para destituir Trump, acreditando que apenas servem para estimular os apoiantes do ocupante da Casa Branca.

A resolução de Sherman conta, porém, com o copatrocínio do representante democrata Al Green, eleito pelo Estado do Texas.

Sherman entregou o documento um dia depois de o filho do presidente, Donald Trump Jr., ter admitido que se reuniu com uma advogada russa durante a campanha. A advogada prometeu informação do governo russo prejudicial para a então candidata presidencial democrata Hillary Clinton.

Trump Jr. Garantiu que não recebeu informação sobre Clinton durante a reunião.

O presidente tem questionado os seus próprios serviços de informações e recusado a tese da interferência russa nas eleições.

Contudo, as autoridades federais garantem que têm provas irrefutáveis da interferência do Kremlin na eleição presidencial norte-americana.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon