Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Conselho de Arbitragem explica anomalia do videoárbitro no Desportivo das Aves-Benfica

Logótipo de LusaLusa 23/10/2017 João Pedro Simões
HUGO DELGADO/LUSA © LUSA / HUGO DELGADO HUGO DELGADO/LUSA

Redação, 23 out (Lusa) – O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) explicou hoje aos clubes os motivos para a inoperacionalidade do videoárbitro no jogo entre Desportivo das Aves e Benfica, no domingo, da nona jornada da I Liga.

Contactada pela agência Lusa, fonte do CA confirmou o envio da missiva à Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), dando conta de que a quebra de comunicações entre o videoárbitro e a equipa de arbitragem, a partir dos 66 minutos do encontro, se ficou a dever a uma anomalia na base de interligação, que permite o envio de sinal áudio da equipa de arbitragem para o centro de videoarbitragem.

Ainda de acordo com a explicação do CA, após detetada a anomalia, a equipa técnica no centro de videoarbitragem procedeu a tentativas de recuperação do sistema de comunicações, nomeadamente reiniciando-o, sem sucesso, e, posteriormente, reconfigurando-o, igualmente sem resultados.

Perante isto, as comunicações ficaram comprometidas até ao final do jogo, sendo que os testes realizados após o encontro, que o Benfica venceu por 3-1, diagnosticaram que a falha se ficou a dever à base de interligação dos sistemas dos rádios utilizados pela equipa de arbitragem, liderada por Nuno Almeida, da associação do Algarve.

No domingo, o CA da FPF já tinha confirmado, na sua conta oficial do Twitter, a quebra de comunicações a partir dos 66 minutos do jogo, acrescentando que esta falha impediu o diálogo entre a equipa de videoarbitragem e a equipa de arbitragem no terreno.

JP // VR

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon