Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Construtoras portuguesas ganham obras em novas centralidades angolanas

Logótipo de O Jogo O Jogo 14/07/2017 Administrator

Duas construtoras de origem portuguesa foram contratadas pelo Governo angolano, por mais de 16 milhões de euros, para as empreitadas das infraestruturas de duas cidades construídas de raiz nas províncias de Benguela e do Bengo.

Uma dessas obras foi adjudicada, por despacho presidencial de finais de junho, a que a Lusa teve hoje acesso, à empresa Tecnovia Angola, para as infraestruturas exteriores na centralidade de Capari, na província do Bengo, negócio avaliado em 1.021 milhões de kwanzas (5,4 milhões de euros).

Esta centralidade conta com 4.000 casas, atualmente em fase de comercialização.

Localizada a nordeste da cidade de Luanda, a centralidade do Capari foi concebido para albergar uma população estimada de 24.000 habitantes, desenvolvendo-se numa área total de 90,5 hectares.

Um outro despacho presidencial a que a Lusa teve acesso autoriza o Ministério do Urbanismo e Habitação angolano a contratar a empresa Afavias, do grupo madeirense AFA, para uma empreitada semelhante, mas na centralidade de Baía Farta, na província de Benguela, neste caso por 2.031 milhões de kwanzas (10,7 milhões de euros).

Distribuída por uma área de 97 hectares, esta centralidade conta com 1.000 casas de diversas topologias. Com capacidade para albergar uma população estimada em 6.000 habitantes, inclui 698 moradias unifamiliares e 151 moradias geminadas.

Conta com equipamentos sociais e prevê a construção de uma escola de ensino primário e outra do ensino secundário, um jardim-de-infância e edifícios públicos.

Estas novas centralidades, construídas de raiz em todas as províncias do país, integram-se no Plano Nacional de Habitação e a sua aquisição, sobretudo por funcionários públicos, é anunciada pelo executivo como possível com preços controlados e mais acessíveis.

A 44 quilómetros a sudoeste da cidade de Luanda, a centralidade KM44, que prevê a construção de 229 edifícios, contendo 2.248 habitações distribuídas por uma área de 21,40 hectares para acolher até 13.448 pessoas, vai igualmente receber obras nas infraestruturas exteriores.

Neste caso, a empreitada, no valor de 1.162 milhões de kwanzas (6,1 milhões de euros), foi entregue pelo Governo angolano à Jonce - Sociedade de Construção e Engenharia, que também tem representação em Portugal, conforme outro despacho a que a Lusa teve hoje acesso.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon