Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Construtores debatem hoje formas de ultrapassar obstáculos à internacionalização

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/07/2017 Administrator

Os empresários da construção vão hoje debater no Porto a internacionalização do setor e tentar encontrar formas de ultrapassar os obstáculos à atividade, principalmente o financiamento, defendendo a necessidade de juntar esforços para ganhar dimensão.

Uma das propostas apontadas pelo presidente da Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) para aproveitar o potencial que representam mercados como a América Latina é apostar na cooperação para entrar em mercados como Colômbia, Bolívia, Peru ou México, mas sem esquecer África.

O Fórum Anual dos Empresários Portugueses da Construção do Mundo, promovido pela AICCOPN, vai decorrer hoje, no Porto, para debater a internacionalização do setor, promover a partilha de experiências entre as empresas, identificar constrangimentos no desenvolvimento desta atividade internacional e perspetivar o futuro da atividade.

Na última década, salientou Manuel Reis Campos, a internacionalização da construção tem crescido cerca de 23% por ano e os números de 2015 apontam para 10,4 mil milhões de euros, sendo o setor de atividade que já representa 16,6% da faturação internacional, relativamente ao negócio com o exterior.

África representava em termos de internacionalização cerca de 63% e Angola metade, ou cerca de 34%, e Portugal é o segundo país com mais implantação em África e o terceiro na América Latina, acrescentou.

Estão identificados os obstáculos à internacionalização, nomeadamente "problemas conjunturais, como os casos de Angola e Brasil, há uma certa complexidade geopolítica mundial e temos necessidade de diversificar os mercados e consolidar alguns posicionamentos", listou Reis Campos.

Mas, atualmente, "temos condições que vão permitir facilitar a entrada em mercados europeus, asiáticos e da América Latina, não excluindo a possibilidade de considerar África e Angola, em particular, como mercado potencial", defendeu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon