Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Contas da FPF aprovadas por maioria

Sportinveste 31/05/2014 Fonte: Sportinveste Multimédia
Contas da FPF aprovadas por maioria © Sportinveste Multimédia Contas da FPF aprovadas por maioria

O plano de atividades e orçamento da FPF recebeu 95,08% dos votos e foi ainda aprovado por unanimidade o voto de louvor pela participação da seleção nacional e do árbitro Pedro Proença no Mundial do Brasil.

O plano de atividades e orçamento da FPF para 2014/2015 foi aprovado, este sábado, no Auditório da FPF, com 95,08% de votos favoráveis, tendo-se registado apenas duas abstenções e um voto contra.

A reunião magna foi presidida por José Luis Arnaut e teve como principal ponto da ordem de trabalhos a apreciação, discussão e aprovação do plano de atividades e orçamento da FPF referente à época desportiva 2014/2015. A direção da FPF prevê o encaixe de 23,577 milhões de euros em rendimentos suplementares, nos quais se inclui 7,875 milhões de euros em contrato de material desportivo, mais 375 mil euros do que em 2013/14, e 15,580 milhões de euros em outros contratos de publicidade e televisão, correspondendo a um aumento de 2,5 milhões de euros.

Além do aumento das receitas em transmissões e publicidade, destaca-se no orçamento a redução para um terço da rubrica de rendimentos de atividades desportivas, dos atuais 12,550 milhões de euros para 4,760 milhões de euros. Na alínea dos campeonatos internacionais, nos quais se inclui o Mundial2014 a redução é de 8,253 milhões de euros para 277 mil euros.

No exercício correspondente ao período 1 de julho de 2014 e 30 de junho de 2015, a FPF orçamenta 37,789 milhões de euros em despesas e 37,817 milhões de eurosde rendimentos, prevendo um saldo positivo de 27.636,42 euros.

Já no atual exercício, que vigora desde 01 julho de 2013 até 30 de junho da 2014, a FPF apresenta gastos de 42,367 milhões de euros, mais 4,245 milhões de euros do que o que tinha orçamentado, e receitas de 43,223 milhões de euros, também mais 3,517 milhões de euros do que tinha previsto em maio de 2013. O saldo previsto também aumento dos 127.780 euros previstos para 856.608.

Durante a próxima época, o organismo conta gastar cerca de 10,8 milhões de euros em competições internacionais, cabendo a principal fatia à seleção principal (3 milhões de euros), e 8,4 milhões de eurosem atividades desportivas nacionais, entre arbitragem (5,56 milhões de euros) e gastos operacionais com provas (2,87).

Antes da votação do documento, o presidente da FPF, Fernando Gomes, congratulou-se com as presenças de diversas seleções nacionais em fases finais de grandes competições - sub-17 feminina, futsal AA, sub-19 e sub-17 - ao longo da época 2013/2014, que considerou serem "factos evidentes da melhoria da prestação das equipas nacionais"

O presidente da FPF destacou ainda "o crescimento no número de praticantes de futebol - 2500 - e o incremento de novas seleções e espaços competitivos, nomeadamente no que diz respeito ao futebol feminino e ao futsal", recordando que neste momento há "23 competições sob a égide da FPF". O responsável máximo do organismo que superintende o futebol português frisou, ainda, a política de proximidade da FPF com os diversos agentes do futebol, nomeadamente através de ações de formação.

Fernando Gomes disse ainda que houve um "impacto muito positivo das duas finais das Ligas dos Campeões realizadas em Lisboa, sob o ponto de vista mediático".

Destaque, também, para a apreciação de um voto de louvor pela participação da seleção nacional e do árbitro Pedro Proença no Mundial do Brasil, que foi aprovado por unanimidade.

Fonte: O Jogo

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon