Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Contribuições para a Segurança Social cresceram mais de 7% - ministro

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/08/2017 Administrator

As contribuições para a Segurança Social cresceram mais de sete por cento nos últimos dois meses e em julho esse crescimento foi de 7,85 por cento, segundo o ministro da tutela em entrevista ao Diário de Noticias.

Segundo o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, este é um sinal de crescimento do emprego que já não acontecia há muitos anos.

"Este mês as contribuições cresceram 7,85 por cento, o valor acumulado está em 6,2 por cento e a estimativa orçamental era de 4,2 por cento. Isto quer dizer que a massa salarial está a crescer a um ritmo que já não acontecia há muito tempo. Quando cresce a massa salarial cresce o emprego e os salários, ou uma coisa ou outra, neste caso são as duas em combinação", explicou.

Questionado sobre um possível aumento real das pensões em 2018, o ministro disse que tudo depende da evolução da economia.

"Vamos ver, temos um compromisso, e já foi cumprido nos dois últimos anos, que é o de cumprir a lei de atualização das pensões. Esta prevê, se as circunstâncias económicas o permitirem, que haja crescimento real de uma parte significativa das pensões. Vamos ver como é que a economia...", explicou.

"Tenho esperança de que isso aconteça, mas ainda vamos ter de esperar mais alguns meses para ver como é que o segundo semestre da economia portuguesa se comportou, espero que se tenha comportado bem, todos os indicadores apontam nesse sentido", disse.

Relativamente à regularização dos precários do Estado, Vieira da Silva disse que serão menos de 30 mil.

"Na fase em que estamos agora, os serviços estão a completar aquelas listas com situações que não foram identificadas pelos trabalhadores e estão a avaliar, as comissões que foram criadas estão a dar o seu parecer e depois seguir-se-á a fase de concretizar em termos legislativos. A lei que permite a entrada dessas pessoas em vínculos mais estáveis está na Assembleia da República", disse.

O ministro adiantou que no primeiro trimestre de 2018 deverão começar a ser lançados os concursos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon