Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

CORREÇÃO: Associação do Porto lança campanha para explicar doenças do sangue

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/09/2017 Administrator

(Corrige no quarto parágrafo as funções da presidente da associação que não é médica do IPO)

VERSÃO INTEGRAL CORRIGIDA:

A Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas (APLL) tem em curso até ao final de setembro uma campanha para explicar as características das doenças do sangue que atacam a população mais idosa.

Criada há 16 anos, e desde 2014 Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), a associação sediada no Porto apoiou nos últimos três anos "cerca de 500 doentes", pretendendo com a nova campanha "Quando as pequenas coisas fazem a grande diferença" chegar a muito mais portugueses.

A campanha, que decorre no âmbito do Dia Internacional do Linfoma assinalado na próxima sexta-feira, visa combater o facto de a "maior parte das pessoas não saber o que é um linfoma", contou à Lusa a presidente da APLL, Isabel Barbosa.

"O linfoma é um cancro", frisou a responsável, explicando que, em Portugal, "a maior parte das pessoas sabe o que é a leucemia, mas desconhece o que é o linfoma, que é só a doença de sangue mais frequente".

Caracterizada pelo "surgimento de células anormais -- linfócitos -- que levam ao aparecimento de gânglios aumentados, principalmente nas axilas, pescoço e virilhas", a doença continua, segundo Isabel Barbosa, "a ser motivo de confusão para as pessoas".

Com o envelhecimento da população portuguesa, a especialista prevê mesmo o surgimento de "cada vez mais casos de linfomas e mielomas, doenças de sangue que atacam pessoas de idade mais avançada.

"No caso dos linfomas há, por ano, entre 1.700 e 2.000 novos casos em Portugal", revelou Isabel Barbosa, informando haver "mais de 60 subtipos de linfomas" e que esse é um detalhe "muito importante para poder determinar o tratamento".

Prestando apoio social, nas áreas da psicologia e apoio económico aos doentes mais carenciados e referenciados pelas assistentes sociais dos hospitais, a APLL "ajuda-os na aquisição, entre outros, de medicamentos, produtos de higiene, próteses dentárias e óculos", disse a presidente.

"Nos últimos três anos, ajudámos cerca de 500 doentes nos quatro meses após terem saído do hospital", relatou a responsável da associação que conta com 30 voluntários e mais de um milhar de associados.

No âmbito do "Mês das Doenças Malignas do Sangue", a APLL vai desenvolver até final de setembro outras atividades, entre elas a apresentação do livro "Somos todos heróis", com testemunhos de 50 pessoas que superaram doenças do sangue, e uma exposição fotográfica itinerante, denominada "Sempre em forma".

No dia 22 estarão representados quer no Mercado do Bom Sucesso quer na Fundação Manuel António da Mota, dando informação sobre o Dia Mundial da Leucemia Mielóide Crónica, alertando para a doença e fazendo angariação de fundos.

No âmbito da campanha "Quando as pequenas coisas fazem a grande diferença", a APLL está também a pedir na rede social Facebook uma fotografia com uma frase sobre "que pequena coisa fez alterar a sua vida".

Com um trabalho assente no voluntariado, a APLL conta com o apoio de pessoas entre os 30 e 50 anos "temporariamente desempregadas", mas também da colaboração de reformados, congratulando-se Isabel Barbosa também pelo apoio prestado "por grupos de jovens" durante as férias de verão.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon