Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

CORREÇÃO: Contrato coletivo vai abranger mais de 40 mil trabalhadores do setor privado de educação

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/07/2017 Administrator

CORREÇÃO DA NOTÍCIA COM O TÍTULO: "Contrato coletivo vai abranger mais de 40 mil trabalhadores do setor privado de educação"

(Corrige no primeiro parágrafo as entidades envolvidas no acordo, que, além de sindicatos da Federação Nacional de Educação, envolve outras estruturas sindicais, e acrescenta terceiro parágrafo)

VERSÃO INTEGRAL CORRIGIDA:

Cerca de 600 empregadores e mais de 40 mil trabalhadores do setor privado de educação vão ser abrangidos por um contrato coletivo de trabalho, celebrado hoje por patrões e vários sindicatos.

O acordo, considerado "histórico" pela Confederação Nacional da Educação e Formação (CNEF) e pela Federação Nacional de Educação FNE, vai abranger milhares de trabalhadores docentes e não docentes de todas as escolas privadas, incluindo as profissionais.

O entendimento é assinado pela CNEF e pela FNE, SINDEP (Sindicato Nacional e Democrático dos Professores), SINAPE (Sindicato Nacional dos Profissionais da Educação), SITRA (Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes), SITESE (Sindicato dos Trabalhadores e Técnicos de Serviços, Comércio, Restauração e Turismo), SINDITE (Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica) e SNAS (Sindicato Nacional dos Assistentes Sociais).

Depois de mais um ano de negociações, o acordo, que entra em vigor a partir de 01 de setembro, abrange um universo muito significativo de estabelecimentos do ensino básico e secundário do setor particular, cooperativo e profissionais, assim como de trabalhadores.

Em declarações à agência Lusa, Rodrigo Queiroz e Melo, da direção da CNEF, considerou que se trata de um momento "histórico", pois "é a primeira vez que há um acordo para o setor", admitindo que houve muitas dificuldades nas negociações devido à questão da sustentabilidade das escolas provocado pelo problema das verbas de financiamento do Fundo Social Europeu.

Em comunicado, a CNEF sublinha ainda que este CCT acaba definitivamente com o trabalho precário e garante a todos os trabalhadores destes estabelecimentos de ensino condições de trabalho mais dignas, ao consagrar o seu direito a vencimentos e carreira, bem como a regras mais claras sobre a organização do trabalho.

Também a FNE entende que este acordo protagoniza um "momento histórico e inovador" na área da Educação, ao cobrir "uma zona em branco pela ausência de contratação coletiva, que são as escolas profissionais privadas".

"Este histórico CCT será um contrato único, válido por um ano, com aspetos considerados inovadores, como sejam as situações excecionais e transitórias, para as organizações que se encontrem com maiores dificuldades financeiras", refere a FNE.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon