Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Costumamos expor as jogadoras ao maior tipo de contrariedades"

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/07/2017 Alcides Freire
. © Fornecido por O jogo .

Francisco Neto, selecionador nacional da equipa feminina de Portugal, não acha, ainda que sim, que a vitória com a Escócia tenha sido um jogo perfeito

"Desta vez tivemos boas decisões, o instinto é esse, hoje correu-nos bem, às vezes não surtem efeito, mas hoje foi tudo perfeito [com Carolina Mendes de início e Ana Leite a entrar, as autoras dos golos]. O jogo estava a pedir a Ana Leite, com transições rápidas, conseguimos e foi o que foi mais importante.

O jogo para nós não foi perfeito, estivemos mais próximos, foi aquilo a que nos propusemos. Principalmente na segunda parte conseguimos ter mais bola. Foi um jogo com muito caráter das jogadoras portuguesas.

Quem acompanhou o nosso jogo até aqui, 90 por cento dos nossos jogos foram sempre contra equipas acima de nós no ranking, costumamos expor as jogadoras ao maior tipo de contrariedades, para estarem mais aptas para estes momentos. É sempre melhor este ambiente de grande adversidade. Por isso é que disse que a vitória foi do caráter, com a Finlândia [no apuramento] também conseguimos virar para 3-2, a perder 2-0.

Conseguimos as nossas transições. Para nós é sempre uma arma, as saídas mais rápidas, se calhar com um bocadinho mais de discernimento podíamos ter feito melhor na parte final. É o nosso momento agora [pela vitória de hoje]. Com a Inglaterra [no próximo jogo] será duro, tem uma grande equipa, sabemos que a Inglaterra é top 3 no ranking UEFA, mas Portugal lutará com tudo o que tem, isso sabemos".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon