Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Couceiro admite que tentou contratar Rafael Martins

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/03/2017 Alcides Freire

Contratado para compensar a saída de Soares, ficou em branco durante seis partidas. "Precisava de jogar para atingir alto rendimento", explica José Couceiro, um "velho" conhecido do brasileiro.

© Miguel Pereira/Global Imagens

Os golos voltam a jorrar em Guimarães, agora a dividir o título de quarto melhor ataque do campeonato com o rival Braga, e Rafael Martins é um dos principais responsáveis. Autor de dois tiros certeiros e de uma assistência, o avançado desencadeou metade dos seis golos marcados pela equipa nas últimas duas jornadas, frente ao Estoril e ao Rio Ave, sendo necessário recuar até ao arranque do campeonato para se apreciar um contexto semelhante - sete golos somados no conjunto das partidas com o Marítimo e o Paços de Ferreira, disputadas em agosto. Para trás, ficaram seis jogos em branco do avançado brasileiro, que parecia ser um forte candidato ao título de "flop" de inverno. A paciência do técnico Pedro Martins levaria, porém, a melhor. "Ele sabia que o Rafael Martins precisava de jogos e de competição para atingir alto rendimento e, naturalmente, fazer golos. Em Espanha, pelo Levante, estava a ser pouco utilizado", clarifica José Couceiro, o segundo treinador do avançado brasileiro em Portugal (2013/14), então ao serviço do V. Setúbal.

citacao"Tentámos o Rafael em janeiro. Até almoçámos juntos em Setúbal", disse Couceiro a O JOGO

Por ter a perfeita noção de que seria "uma questão de tempo e de jogos" o reencontro do Rafael Martins com os golos, José Couceiro assume até ter recomendado a sua contratação por duas vezes à SAD do V. Setúbal. "Tentámos no começo da época, mas o Levante pedia muito dinheiro; depois, tentámos em janeiro. Até almoçámos juntos em Setúbal, mas o V. Guimarães tem outra capacidade financeira. Percebi a opção dele e, por isso, não deixa de ser meu amigo", afirma o técnico dos sadinos, abstendo-se de estabelecer comparações entre o 99 dos vimaranenses e Soares, vendido ao FC Porto. "Digo apenas que o Rafael é um excelente avançado. Estando em competição, ganha confiança e revela-se um belo avançado", assegura.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon