Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Cristas pede demissão dos ministros da Administração Interna e Defesa

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/07/2017 Administrator

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, pediu hoje a demissão da ministra da Administração Interna e do ministro da Defesa Nacional, considerando-as inevitáveis porque estes governantes "não souberam estar à altura das suas responsabilidades".

"Estes ministros não souberam estar à altura das suas responsabilidades, as demissões são inevitáveis e temos de o dizer sem hesitações e sem rodeios: senhor primeiro-ministro, volte e demita-os", exigiu Assunção Cristas, após ser recebida, a seu pedido, em Belém pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Falando aos jornalistas na sede do CDS, em Lisboa, a líder centrista argumentou que após a tragédia de Pedrógão Grande e o furto de armamento em Tancos, há "uma crise de autoridade, há uma crise de comando" e há "uma crise de confiança" e esta "só será resolvida com a demissão destes ministros".

O CDS é o primeiro partido a pedir a demissão da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, depois do incêndio de dia 17 de junho em Pedrógão Grande, que provocou 64 mortos, e do ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, após o furto de armamento em Tancos.

"Estamos convencidos de que não é possível restaurar a quebra de confiança que neste momento existe nas instituições do Estado na área da segurança, da proteção das pessoas e da soberania e restaurar a nossa credibilidade internacional sem que haja uma alteração nos titulares das pastas nestas duas áreas e foi isso que nós transmitimos ao senhor Presidente da República", sustentou Assunção Cristas.

Para o CDS, "num e noutro caso, o Governo tem fugido às suas responsabilidades e mostra-se incapaz de assumir os erros e tirar conclusões", o mesmo que "é rápido a mandar testar a sua imagem e popularidade".

"Esperámos uma atitude firme por parte dos ministros em causa ou do primeiro-ministro, assumindo as suas responsabilidades e respetivas consequências políticas. Não o fizeram. Instámos o primeiro-ministro a retirar essas consequências. Não o fez. Passaram-se dias de um silêncio ensurdecedor", declarou.

A líder centrista defendeu que "o que se passou nas últimas semanas em Portugal ultrapassou todas as marcas".

"Quando os portugueses mais precisavam de um Estado que os protegesse, o Estado falhou. Falhou e tarda em assumir que falhou, escondido nas contradições dos governantes, escudado na barafunda dos serviços, disfarçado num primeiro-ministro que só faz perguntas e que se limita a ter 'curiosidade' nas respostas", argumentou.

A presidente do CDS-PP defendeu que o primeiro-ministro não deve esperar pelo final da 'época de incêndios' ou de que mais material militar seja furtado.

Assunção Cristas referiu que, "ainda antes do incêndio de Pedrógão e do furto de material militar", já tinham sido conhecidos "episódios preocupantes", nomeadamente "a insegurança no aeroporto de Lisboa e o furto de pistolas à PSP".

Acerca do furto em Tancos, Cristas frisou que o ministro assumiu a responsabilidade política, mas sem "retirar qualquer consequência disso".

"Sinalizámos a ausência de qualquer palavra por parte do primeiro-ministro numa matéria tão grave quer interna quer externamente. Sentimo-nos envergonhados quando um jornal estrangeiro publica a lista do material furtado", afirmou.

O incêndio que deflagrou há 15 dias em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos e só foi dado como extinto uma semana depois.

Das vítimas do incêndio que começou em Pedrógão Grande, pelo menos 47 morreram na Estrada Nacional 236.1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, concelhos também atingidos pelas chamas.

Já no caso do furto de armas, o Exército anunciou na quinta-feira que foi detetada na quarta-feira ao final do dia a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois 'paiolins', tendo desaparecido granadas de mão ofensivas e munições de calibre nove milímetros.

Na sexta-feira, o Exército acrescentou que entre o material de guerra roubado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon