Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

De craque aos 17 anos ao tráfico de armas e droga: um drama que marcou Boloni

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/03/2017 Hugo Monteiro

Laszlo Boloni concedeu uma entrevista exclusiva a O JOGO, a não perder na edição deste domingo.

Laszlo Boloni voltou por estes dias a marcar a agenda sportinguista por ter sido convidado por Pedro Madeira Rodrigues - candidato a tirar Bruno de Carvalho da cadeira do poder - para organizar e gerir todo o futebol leonino. Todavia, Madeira foi derrotado nas eleições de 4 de março e Boloni, o último treinador campeão pelos leões (2002) não retornou a Alvalade. Em entrevista a O JOGO, o romeno elogia a estrutura dos rivais e admite que gostaria de voltar a trabalhar no Sporting.

Desafiado por O JOGO, deixou algumas curiosidades e episódios sobre a vasta carreira.

© Global Imagens

Momento mais dramático: "Foi quando treinei o Nancy. Trabalhei com um grande, grande talento, Soufiane Koné, que começou a jogar comigo na primeira divisão de França com 17 anos e marcava golos. Era uma grande esperança do futebol francês. Durante um treino fez uma receção de bola e no domínio, sem estar ninguém perto dele, sofreu uma lesão grave. O pé paralisou... Não teve possibilidade de fazer o movimento de apoio. Nunca mais regressou e o mais dramático foi depois. Anos mais tarde cometeu grandes erros na sua vida e foi preso por tráfico de droga e de armas. Era um talento fantástico e morreu como jogador. Nunca me esquecerei dele."

Treinador que mais o impressionou: "O meu treinador na Roménia, que ninguém conhece! Tiberiu Bone, que foi o meu treinador no Targu Mures. Foi um grandíssimo treinador, mas em Portugal ninguém o conhece. Mas agora não quero falar disso, já foi há tanto tempo... Mas foi o treinador mais importante na minha vida."

Jogador mais habilidoso que conheceu: "Não vou comentar. Todo o mundo sabe mais ou menos a minha resposta. Vou deixar que vocês, como bons portugueses que têm de saber quem foi, que adivinhem [Boloni lançou Cristiano Ronaldo em 2002]. Quero terminar esta entrevista desta maneira, sei que vocês sabem quem é, sabem onde trabalhei!"

Ler entrevista completa na edição impressa e e-paper.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon