Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Demolição em curso em São João da Madeira dá vida nova à praça central da cidade

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/07/2017 Administrator

O Elemento Arquitetónico da Praça Luís Ribeiro, em São João da Madeira, começa hoje a ser demolido, na sequência de um concurso público que escolheu o desaparecimento dessa estrutura como prioritário para a revitalização do centro pedonal da cidade.

A construção em causa tem o formato de uma chaminé industrial e na base integrava dois pisos com salas que chegaram a ser usadas como sede ou ponto de encontro de organizações locais, mas nos últimos anos a estrutura estava desativada e motivava algumas queixas pelos que a consideravam um impedimento ao pleno usufruto da praça, por dificultar a circulação de pessoas e impedir a realização de certos eventos.

Em 2016 a autarquia local lançou então um concurso de ideias para revitalização da Praça e as três propostas concorrentes apresentaram como elemento comum a eliminação do Elemento Arquitetónico, tendo o Executivo aprovado por unanimidade o projeto dos arquitetos Nuno Pedrosa e Vasco Cortez, "pela simplicidade das suas soluções e por resistir à tentação de construir".

Os preparativos para a intervenção começaram esta segunda-feira, com a desocupação do imóvel e a circunscrição da área envolvente, mas, embora inicialmente prevista para a próxima quinta-feira, a demolição começa a concretizar-se já hoje, dado o bom ritmo dos trabalhos.

Para o presidente da Câmara Municipal de São João da Madeira, Ricardo Oliveira Figueiredo, o desaparecimento da polémica estrutura vai assim permitir "abrir a praça à circulação pedonal, melhorar a sua acessibilidade geral ao facilitar o acesso automóvel à zona e criar novas bolsas de estacionamento" no centro da cidade.

Uma vez eliminado o imóvel, os trabalhos para a regularização do piso libertado à superfície e no subsolo deverão ficar concluídos no prazo máximo 30 dias, garantindo fonte da autarquia que, nesse período, as esplanadas e estabelecimentos comerciais da envolvente "poderão continuar a funcionar" com relativa normalidade.

Após a remoção completa do Elemento Arquitetónico, a área em causa será provisoriamente "pavimentada com solo-cimento, para ficar nivelada pela zona circundante e se poder usufruir da Praça na sua plenitude, em boas condições".

Mais tarde, esse piso será então revestido com lajetas de granito, sendo que o projeto dos arquitetos Nuno Pedrosa e Vasco Cortez também prevê "a remoção da cobertura metálica existente em torno das esplanadas" e a retirada de "todo o mobiliário urbano" da zona.

Ainda não há prazo previsto para conclusão de toda a requalificação, mas o objetivo da autarquia é transformar a Praça Luís Ribeiro num "espaço convidativo e atraente, que esteja preparado para grandes reuniões e grandes eventos".

Isso passará por se proceder a "uma limpeza total e a uma intervenção sóbria, minimalista e de unificação de toda a linguagem utilizada" na zona e implicará também a "introdução do verde, que é quase inexistente na área de intervenção e tanta falta faz para a criação de espaços públicos de qualidade".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon