Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Dezenas de professores do ensino privado e cooperativo protestam em Lisboa

Logótipo de O Jogo O Jogo 28/10/2017 Administrator

Dezenas de professores dos ensinos particular e cooperativo, artístico, especializado e profissional concentraram-se hoje junto à Confederação Nacional de Educação e Formação (CNEF), em Lisboa, em defesa do estatuto profissional e de melhores condições de trabalho.

Os docentes, que vieram de vários pontos do país, iniciaram depois, pelas 16:25, uma marcha até ao Ministério da Educação, onde será lida uma resolução entretanto aprovada, na qual exigem do poder político que a CNEF negoceie com a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) um Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) "que contemple um horário letivo igual ao do ensino público, bem como tabelas salariais e carreiras docentes semelhantes às do ensino estatal".

A resolução aprovada exige ainda da CNEF e do poder político regras de transição para a recuperação do tempo de serviço com efeitos na progressão, e reconhecimento para efeitos de progressão na carreira de todo o tempo de serviço docente prestado, independentemente de ser em estabelecimento de ensino privado ou em estabelecimento de ensino público.

O documento pede também ao Ministério da Educação que fiscalize e controle devidamente o financiamento público a estabelecimentos de ensino privado, e que as verbas necessárias para o funcionamento destas escolas com contratos estabelecidos com o Ministério da Educação sejam transferidas atempadamente.

Graça Sousa, coordenadora da Fenprof para o setor de ensino privado e cooperativo, e Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, sublinharam que esta foi a primeira vez que os professores do ensino particular e cooperativo se juntaram numa ação de rua junto da entidade patronal, para protestarem "contra as más condições de trabalho e pela forma como têm sido mal tratados".

Mário Nogueira admitiu que se as exigências destes professores não forem satisfeitas e se a CNEF continuar a manter a sua intransigência, os professores do ensino privado e cooperativo admitem recorrer à greve, acreditando que, caso se chegue a este ponto, haverá uma adesão significativa por parte destes profissionais.

"Queremos um CCT justo para as escolas profissionais" e "Pela dignificação do ensino privado" são alguns dos cartazes exibidos pelos manifestantes durante a concentração que pelas 16:25 iniciou a marcha rumo ao Ministério da Educação.

A concentração de docentes do ensino particular e cooperativo foi organizada pela Fenprof "em defesa de um estatuto socioprofissional que reconheça direitos e deveres adequados à função docente".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon