Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Dispensado no FC Porto vira referência de Abel

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/08/2017 Alcides Freire

Golaço ao Portimonense reforçou as expectativas em torno de Xadas, a jovem revelação do momento, que não se conseguiu fixar na formação dos dragões devido à baixa estatura

O camisola 10 do Braga vai sustentando cada vez mais as projeções que o apontam a uma carreira de alto nível e, no final da vitória sobre o Portimonense, Abel Ferreira destacou o seu exemplo. "Nós queremos jogadores que assumam, que vão para cima, sem medo de errar e que façam a diferença. Foi o que o Xadas fez", elogiou o treinador, responsável pela ascensão extraordinária do jogador no curto espaço de um ano.

© Fornecido por O jogo

Na época passada, Xadas ainda era júnior e Abel promoveu-o à equipa B, na qual marcou 11 golos em 30 jogos, e agora nem hesitou em colocá-lo no plantel principal. Suplente utilizado nos jogos com o AIK, agarrou um lugar no onze frente ao Benfica e ao Portimonense. A titularidade, que ganhou força com a saída de Pedro Santos, mas que já vinha a desenhar-se, é um dado adquirido nesta altura da temporada. Bruno Almeida, cuja alcunha de Xadas foi herdada do avô, é uma das pérolas bracarenses, não admirando que António Salvador o tenha blindado com uma cláusula de rescisão de 25 milhões de euros, aquando da renovação contratual, em fevereiro, até 2022.

Xadas está no Braga desde 2014. Chegou com apenas 16 anos, proveniente da Sanjoanense, onde jogou quatro épocas e foi colega de Gil Dias. O agora jogador do Mónaco acabou por ter influência na decisão de Xadas em escolher o Braga em detrimento do outro clube interessado, o V. Guimarães. Dois dias de testes foram suficientes para convencer definitivamente os responsáveis do Braga. Natural de Milheirós de Poiares, freguesia de Santa Maria da Feira muito próxima de São João da Madeira, Xadas começou no Milheiroense e, depois, passou dois anos nos infantis do FC Porto, onde foi companheiro de Verdasca e Fernando Fonseca, entre outros. Mas acabou por ser dispensado pelo holandês Pepijn Lijnders, mais tarde adjunto do Liverpool. A razão era a baixa estatura em relação aos restantes jovens jogadores.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon