Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Do util e do bello", a arquitetura de Ventura Terra em exposição em Lisboa

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/07/2017 Administrator

Esboços, plantas, alçados e fotografias de edifícios projetados por Ventura Terra preenchem a exposição "Do util e do bello", a inaugurar hoje, no piso térreo do Torreão Poente, em Lisboa, na véspera dos 151 anos de nascimento do arquiteto.

"Mostrar o arquiteto extraordinário e a pessoa fabulosa que foi Miguel Ventura Terra (1866), revelando o homem nas suas várias facetas" é, segundo a arquiteta Hélia Correia, da Câmara Municipal de Lisboa e uma das comissárias da mostra, o principal objetivo da exposição.

Ocupando uma área de quase 400 metros quadrados, a mostra divide-se em cinco núcleos temáticos: "Família e estudante", "A prática da arquitetura", "O vereador", "Sociedade dos Arquitetos Portugueses" e "Comissão dos Monumentos Nacionais", culminando com uma projeção em vídeo dos cinco prédios em Lisboa considerados mais emblemáticos, entre os concebidos pelo arquiteto.

Palácio das Cortes (atual Assembleia da República), Sinagoga Shararé Tikvá, Palacete Mendonça, Liceu Camões e Teatro Politeama são os edifícios exibidos no vídeo que encerra a exposição, comissariada também pelas investigadoras Ana Isabel Ribeiro e Rita Megre, licenciadas em História, e que se integra nas comemorações dos 150 anos de nascimento do arquiteto.

A título de epílogo, a mostra contempla ainda dois mapas, um de Lisboa e outro de Portugal, com a distribuição das obras do arquiteto nascido em Seixas, Caminha, a 14 de julho de 1866, que morreu em Lisboa, aos 53 anos.

Ao longo da exposição, os visitantes ouvirão as intervenções do arquiteto enquanto foi vereador da Câmara de Lisboa, entre 1908 e 1913, e, por um curto período, em 1917.

"Consultámos as atas das intervenções de Miguel Ventura Terra na Câmara e optámos por transpô-las para a palavra falada, de modo a que, quem vier ver a mostra, perceba o homem excecional que mudou a cidade e que sempre defendeu que a prática da arquitetura devia estar não apenas de acordo com os costumes e hábitos, como também com a ciência moderna", referiu a arquiteta.

"Ventura Terra, arquiteto -- Do util e do bello" contempla ainda o lançamento de um documentário, a estrear provavelmente em outubro, no Cinema S. Jorge, em Lisboa, elaborado pela Videoteca, também da autarquia de Lisboa, com imagens recolhidas ao longo de um ano sobre "a pessoas extraordinária que foi este arquiteto", acrescentou Hélia Silva à Lusa.

Do nascimento, em Seixas -- localidade que nunca abandonou ao longo da vida assim como não o fez a familiares nem amigos --, até à ida, com 15 anos, para o Porto, onde iniciou, e terminou, o curso de Arquitetura Civil (1884), na Academia Portuense de Belas Artes, ou à ida para Paris, em 1886, quando ficou em primeiro lugar no concurso de pensionista (bolseiro) do Estado da Classe de Arquitetura Civil, tudo é possível ver na exposição.

À medida que se percorre o núcleo subordinado à prática da arquitetura, é possível ver várias fotografias de obras que projetou, entre as quais as que lhe valeram cinco Prémios Valmor, um dos quais uma menção honrosa.

Enquanto do lado direto do visitante estão afixadas as construções concebidas para Lisboa, do lado esquerdo é possível o confronto com obras que projetou para o resto do país, mostrando um homem que tanto podia trabalhar a gizar um palacete (como o Mendonça, Prémio Valmor em 1909), como num edifício para acolher a Associação Protetora da Primeira Infância ou o edifício de apoio balnear que projetou para Setúbal -- entretanto já demolido e que foi o único de traça mourisca que concebeu.

O empenho cívico do arquiteto, republicano convicto, é outra das facetas do criador, mostrada na exposição, patente na importância como membro da Sociedade Portuguesa dos Arquitetos Portugueses -- foi, em 1903, o primeiro presidente do Conselho Diretor desta entidade -, como enquanto elemento da Comissão dos Monumentos Nacionais, organismo em que permanece até morrer, em 1919, e no qual se bateu pela conclusão da Igreja de Santa Engrácia e sua transformação num panteão.

A Casa Ventura Terra (1903), o Palácio Valmor (1906), o Palacete Mendonça (1909), a Casa de António Thomaz Quartin (1911) e a Casa de Artur Prat (menção honrosa 1913) perfazem a lista de prémios Valmor obtidos por Ventura Terra.

Organizada pelo pelouro da Cultura da autarquia de Lisboa, a exposição conta, entre outros apoios, com a colaboração da Associação Ventura Terra, que integra familiares do arquiteto.

Esta associação detém, em regime de comodato e por 30 anos, a Casa de Férias que o arquiteto construiu em Seixas, e que a autarquia de Caminha adquiriu em 2002.

A mostra está patente até 21 de outubro e é visitável de terça-feira a sábado, das 11:00 às 16:00.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon