Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Donald Trump volta a defender controversa posição sobre manifestação racista

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/08/2017 Administrator

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu hoje a sua controversa posição inicial sobre a violência de sábado em Charlottesville, numa manifestação racista, afirmando haver erros dos dois lados.

"Penso que há erros dos dois lados", disse Donald Trump, referindo-se aos membros de extrema direita que convocaram a manifestação para a pequena cidade do estado de Virgínia e aos manifestantes que lá se reuniram para os denunciar, no último sábado.

Uma mulher de 32 anos foi morta em Charlottesville quando um jovem neonazi, James Fields, conduziu o carro intencionalmente contra manifestantes.

Numa discussão com jornalistas hoje na Torre Trump, em Nova Iorque, o Presidente dos Estados Unidos começou por justificar a primeira declaração, no dia da manifestação, por falta de informação.

"Quando faço uma declaração gosto de estar correto. Eu quero os factos. Os acontecimentos tinham acabado de acontecer", disse, para explicar porque esperou por segunda-feira para finalmente condenar a "violência racista" que aconteceu na pequena cidade.

Mas depois acrescentou: "Eu olhei de perto, de muito mais perto do que a maioria das pessoas. Vocês tinham um grupo de um lado que era agressivo. E vocês tinham um grupo do outro lado que era também muito violento. Ninguém o quer dizer", afirmou.

Trump questionou se os dois lados não tiveram responsabilidade sobre o que aconteceu e ao mesmo tempo que condenava os neonazis afirmava que nem todos os que estavam no local eram neonazis ou supremacistas brancos.

Na segunda-feira, Donald Trump declarou que o "racismo é mau" e qualificou aqueles que praticam a violência em seu nome, como o Ku Klux Klan (KKK), os neonazis e os supremacistas brancos, como "criminosos e bandidos".

As declarações de Trump surgem 48 horas depois dos incidentes violentos de Charlottesville e depois de muitas criticas pelas declarações que fez no sábado.

Numa primeira reação ao caso, Trump classificou como "terríveis" os acontecimentos em Charlottesville, mas sem mencionar de forma direta os supremacistas brancos que tinham convocado a marcha, entre eles David Duke, ex-líder do KKK (Ku Klux Klan, movimento de supremacia branca), e vários elementos que exibiam símbolos relacionados com o regime nazi.

A Casa Branca sentiu a necessidade de esclareceu no domingo que o Presidente condenava "todas as formas de violência, intolerância e de ódio" e "todos os grupos extremistas", incluindo os movimentos associados à supremacia branca.

Donald Trump tem sido igualmente criticado por causa do seu consultor estratégico, Steve Bannon, conotado com a extrema direita, mas hoje também o defendeu, afirmando que é um homem bom e não um racista.

"É alguém de bem, não um racista", é "um amigo", disse, acrescentando depois que Bannon chegou tarde à sua equipa. "Vamos ver o que acontece ao senhor Bannon", concluiu.

Bannon dirigiu a página na internet Breitbart, um portal da extrema direita norte-americana.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon