Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

E ao quarto dia, a quarta maior enchente de sempre

Sportinveste 01/05/2014 Fonte: Sportinveste Multimédia
E ao quarto dia, a quarta maior enchente de sempre © Sportinveste Multimédia E ao quarto dia, a quarta maior enchente de sempre

Depois de três dias de bancadas muito despidas, o 25.º Portugal Open em ténis beneficiou hoje do efeito “1 de maio” para registar uma enchente que, na prática, representa a quarta maior afluência de público na história do torneio.
O efeito feriado começou a sentir-se logo pela manhã, com o acesso aos “courts” a fazer-se por longas filas, que se prolongavam desde o parque de estacionamento até às entradas no recinto, também ele cheio de gente.
Mas foi no “Centralito”, “court” por excelência dos destinos portugueses, que a presença das 7.308 pessoas que possuíam bilhete para o quarto dia de competição oficial do maior torneio de ténis nacional mais se fez notar.
Às 13:00 em ponto já ninguém entrava no primeiro “court” secundário do complexo do Jamor, com a lotação para ver Gastão Elias a apurar-se para os quartos de final mais do que esgotada.
Com 3.000 lugares sentados, a assistência do encontro entre o número dois português e o espanhol Guillermo Garcia-Lopez, quarto pré-designado, ultrapassava largamente a lotação oficial, com pessoas em pé e sentadas na relva que envolve o “court”.
A expetativa de ver os dois primeiros cabeças de série, Tomas Berdych e Milos Raonic, arrastou ao Jamor muitos curiosos, que fizeram fila, de telemóvel em punho, para ver passar os seus ídolos – da presença de Stanislas Wawrinka, o número três mundial, ninguém se apercebeu, já que o campeão do ano passado ficou-se pelos bastidores.
As intermináveis filas para entrar no “Centralito” voltaram a repetir-se ao final da tarde, quando, meia hora antes do início do encontro de pares que opõe a dupla portuguesa constituída por Elias e João Sousa e o espanhol Guillermo Garcia-Lopez e o austríaco Philipp Oswald, no “Centralito” já não cabia nem uma mosca.
Esta é a melhor assistência de sempre a uma quinta-feira em 25 edições, um número só batido, em termos globais, pelos 7.716 da terça feira de 2007, os 7.676 de domingo em 2008, ano em que Roger Federer ganhou o torneio, e os 7.418 de quarta-feira do ano passado.

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon