Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Economia chinesa cresce 6,8% no terceiro trimestre do ano, supera meta do Governo

Logótipo de O Jogo O Jogo 19/10/2017 Administrator

A China, segunda maior economia do mundo, cresceu 6,8%, no terceiro trimestre do ano, menos uma décima do que no trimestre anterior, mas acima da meta fixada por Pequim, anunciou hoje o Gabinete Nacional de Estatísticas (GNE).

Os analistas esperam, porém, um abrandamento, à medida que as autoridades chinesas reforçam o controlo sobre os empréstimos bancários, visando travar o aumento da dívida, visto como a maior ameaça à estabilidade económica do país.

Pequim está a encetar uma reconfiguração no modelo económico chinês, visando um maior ênfase do consumo interno, em detrimento das exportações e do investimento em grandes obras públicas.

A China tem, no entanto, tido um 'boom' no aumento do crédito, desde a crise financeira global de 2008, que atrasou o reequilíbrio da economia.

Num discurso proferido na quarta-feira, na abertura do XIX Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC), Xi afirmou que as perspetivas da China são "brilhantes", mas reconheceu que a economia do país enfrenta "sérios desafios".

O secretário-geral do PCC disse que o partido terá que assumir "grandes riscos" e superar "forte resistência".

Empresas e investidores estão atentos a sinais do Congresso sobre a profundidade das reformas económicas.

No discurso de quarta-feira, perante os mais poderosos do regime chinês, Xi repetiu promessas de dar ao mercado um "papel decisivo" na alocação de recursos, mas afirmou também a intenção do partido de desenvolver as empresas estatais.

Os dados hoje difundidos pelo GNE revelam que as vendas a retalho na China subiram, em setembro, 10,3%, face ao mesmo mês do ano anterior, uma décima abaixo da média registada nos primeiros três trimestres.

A subida foi impulsionada por uma expansão do comércio eletrónico, em termos homólogos, de 34,2%.

A decisão do partido de anunciar os dados económicos durante o Congresso, o mais importante evento da agenda política chinesa, suscitou expectativas de que estes seriam positivos.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia chinesa cresça este ano 6,7%, mantendo a mesmo ritmo de 2016. A instituição elevou por duas vezes as suas perspetivas para a economia chinesa este ano, alegando o forte aumento da despesa pública.

A meta do Governo chinês para este ano é de 6,5%, "ou mais alto, se possível".

Os reguladores apontaram como prioridade reduzir os riscos no sistema financeiro. Aos bancos foi requisitado que controlem de perto os devedores, sobretudo aqueles que investem além-fronteiras, para assegurar que estes podem pagar as suas dívidas.

O PCC definiu como meta para 2020 dobrar o nível médio de rendimento, face a 2010, e lograr uma "sociedade moderadamente confortável". Analistas da UBS apontam que, para atingir esse marco, o país deve manter um crescimento mínimo de 6,3%, até ao fim da década.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon