Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Ecopark de Bragança com uma nova empresa e mais 20 postos de trabalho

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/09/2017 Administrator

O parque tecnológico de Bragança, o Brigantia EcoPark, tem desde hoje uma nova empresa com 20 postos de trabalho, que aumenta para 14 o número de companhias instaladas e um total de 61 empregos, segundo os responsáveis.

A ITSector, uma empresa portuguesa de base tecnologia, sediada no Porto, decidiu abrir em Bragança o quinto centro tecnológico, num investimento "na ordem de 500 mil euros" com 20 colaboradores que indicou pretender "triplicar até ao final do ano".

Para o presidente do Brigantia EcoPark, que é também presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, esta é a prova de que este projeto "não é um elefante branco", apesar de ainda haver pessoas que "continuam a pensar que está sem atividade nenhuma".

O Brigantia Ecopark foi lançado em março de 2012 com a perspetiva de, numa década, criar 480 postos de trabalho e atrair 110 empresas, com um investimento de 9,5 milhões de euros.

O espaço foi inaugurado há dois anos e, segundo Hernâni Dias, encontram-se ali instaladas 14 empresas com 61 postos de trabalho, o que afirmou equivaler a "cerca de 30%" e "claramente acima daquilo que era a perspetiva inicial".

O responsável considerou que a nova empresa enquadra-se na filosofia inicial do parque tecnológico, pensado como um espaço para acolher empresas e desenvolver investigação nas áreas do ambiente, energia, ecoconstrução e ecoturismo em parceria com o Instituto Politécnico de Bragança.

A base de apoio e recrutamento de colaboradores foi o politécnico de Bragança, como indicou o presidente do grupo ITSector, Renato Oliveira, esclarecendo que Bragança foi escolhida para a instalação do quinto centro "porque o politécnico local está muito bem cotado a nível nacional".

"Tem uma capacidade de captação de alunos estrangeiros muito grande -- para nós é fundamental o domínio perfeito da língua inglesa - e é uma 'universidade' que tem um rácio de alunos internacionais muito elevado", afirmou.

A ITSector foi criada em 2005 e é especializada, como explicou, "na transformação digital dos bancos", criando "soluções que permitem aos clientes, no seu dia-a-dia, usarem a tecnologia para facilitar o acesso".

A empresa tem dois grandes centros no Porto e em Lisboa, e mais três em Braga, Aveiro e Bragança, onde contam com o apoio do ensino superior local.

O principal mercado é Portugal, mas tem também negócios em outros países europeus e em África e está a "tentar entrara n os Estados Unidos da América".

A obra do Brigantia EcoPark foi lançada em 2012 e a inauguração ocorreu três anos depois, sem qualquer empresa instalada.

O presidente Hernâni Dias afirmou hoje que atualmente estão instaladas no local 14 empresa com "várias atividades, desde a vertente de produtos agrícolas, componente de inovação ao nível de sistemas de controlo de aquecimentos e ar condicionado e outras áreas".

O Brigantia Ecopark está a ser trabalhado desde 2004, época em que surgiu, a nível nacional, a ideia dos polos tecnológicos vocacionados para a investigação e desenvolvimento em áreas específicas regionais.

O projeto faz parte do Parque de Ciência e Tecnologia de Trás-os-Montes e Alto Douro que engloba, além do de Bragança, o Régia-Douro Park, em Vila Real.

A concretização dos projetos resultou de uma parceria entre as câmaras de Vila Real e Bragança, o Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a PortusPark.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon