Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

EDP contribui com 400 mil euros para novo espaço das artes em Vila Flor

Logótipo de O Jogo O Jogo 04/07/2017 Administrator

O município transmontano de Vila Flor vai investir 1,2 milhões de euros num novo espaço para "Encontro das Artes" que conta com uma contribuição de 400 mil euros da EDP, revelou hoje a autarquia.

O presidente da Câmara, Fernando Barros, disse à Lusa que a elétrica portuguesa decidiu garantir o montante que faltava para cobrir o valor total do projeto que será executado na sede de um dos cinco concelhos da área de abrangência da barragem do Tua.

O novo espaço terá o nome da pintora transmontana Graça Morais, natural deste concelho do distrito de Bragança, e será aberto "a todas as artes" para servir "de motivação e de encontro dos jovens talentos com artistas de renome da terra".

A ideia tem quase dois anos e o município conseguiu agora garantir a totalidade do financiamento para formalizar a candidatura e avançar com os concursos necessários para a obra, ainda sem data para arranque, como indicou o autarca.

O novo espaço cultural tem já todos os projetos de especialidades prontos com a conceção a cargo do gabinete de arquitetura António Portugal e Manuel Reis.

Ficará instalado num edifício do centro da vila transmontana, que será intervencionado no âmbito do PARU, o Plano de Regeneração Urbana.

O presidente da Câmara explicou que uma grande parte do valor de 1,2 milhões é financiada em 85% por fundos comunitários, que garantem cerca de 650 mil euros.

A autarquia celebrou com a EDP o protocolo que assegura o valor remanescente - 400 mil euros - até à totalidade do investimento necessário.

"A empresa concessionária da barragem do Tua entendeu que pelo facto de esta obra se localizar no centro de Vila Flor, de ter por base a grande pintora que é a Graça Morais e se dedicar às artes, que a solicitação da autarquia devia ser atendida", explicou o autarca.

O projeto do "Encontro das Artes" contempla uma segunda fase, com intervenção noutro edifício e um túnel de ligação com o primeiro, que ficará para mais tarde, segundo o presidente da Câmara.

O propósito de Fernando Barros é formalizar "muito rapidamente", junto com outro projeto, o da requalificação da Praça da República com um valor de 550 mil euros.

O espaço "Encontro das Artes" está projetado para um edifício no centro da vila transmontana com o nome de Graça Morais, a que se juntarão outros artistas naturais ou com ligações ao concelho transmontano, como o escritor Modesto Navarro, o músico Pedro Caldeira Cabral ou o produtor de cinema Tino Navarro.

O propósito desta "casa" é, como disse o presidente da Câmara, Fernando Barros, "transformar aquele espaço num local que os jovens frequentem e que aprendam, não com o intuito de escola".

O autarca quer "meter lá as artes todas", com ateliês, música, escultura, pintura, cinema, dança, entre outros, com espaço também para os artesãos locais.

"É um espaço de encontro. Não quero fazer um museu, quero uma coisa dinâmica", enfatizou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon