Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Emídio Guerreiro defende aposta em eventos desportivos internacionais

Logótipo de LusaLusa 11/04/2014 Lusa

"Temos de, cada vez mais, ter uma agenda forte neste tipo de competições internacionais, para, também de alguma forma, podermos rentabilizar aquilo que foi feito no passado", disse Emídio Guerreiro à Agência Lusa, referindo-se ao investimento em infraestruturas realizado pelo anterior governo.

Emídio Guerreiro considerou ser importante aproveitar as instalações desportivas que foram criadas, tendo revelado que essa será a principal aposta do Governo "ao longo do próximo quadro comunitário de apoio".

"Não haverá mais dinheiro para infraestruturas, mas haverá sim para a dinamização económica em torno do desporto, que pode vir a ser alavancada por financiamento público e comunitário, e é nisso que estamos a trabalhar agora no seio do Portugal 2020", adiantou o secretário de Estado.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA © 2014 JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O responsável governativo salientou também que, em virtude da estabilização do "clima económico", parte do financiamento para o desporto perdida nos anos anteriores foi recuperada para 2014, o que não significa que haja um aumento no financiamento às federações.

"Não voltaremos tão depressa a tempos em que o dinheiro entrava a rodos, mas estaremos num tempo em que exigiremos mais qualidade nos projetos e na execução dos mesmos, e, felizmente, constatamos que a esmagadora maioria, senão mesmo todas as federações desportivas, tem alinhado por aí", reiterou.

Emídio Guerreiro defendeu que os cortes no financiamento às federações desportivas aplicados em 2013 não causaram muito impacto nas competições por elas organizadas, tendo garantido que é possível manter o nível das provas com menos dinheiro.

"O caso particular da ginástica é uma boa demonstração de como uma federação, em tempos difíceis, consegue manter objetivos muito importantes para o desporto português e ter uma agenda de competições internacionais forte no nosso país", disse.

Dados os "critérios de desempenho muito positivos", Emídio Guerreiro assegurou que não será aplicado qualquer corte à federação de ginástica em 2014, embora não tenha garantido que o organismo possa receber mais dinheiro.

"O financiamento estatal tem regras muito próprias que conciliam o histórico, o número de atletas, o número de atletas femininos, o número de atletas inclusivos e os desempenhos", explicou.

TYME // VR

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon