Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Emprego criado desde 2013 é mais instável e pior remunerado - estudo

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/07/2017 Administrator

Os empregos criados em Portugal desde 2013 são menos estáveis e pior remunerados do que antes da crise económica internacional de 2008, conclui um estudo estatístico do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, hoje apresentado.

As conclusões do trabalho, em colaboração com o Observatório Sobre Crises e Alternativas (OSCA), foram hoje apresentadas em colóquio parlamentar intitulado "Novo emprego. Que emprego?", organizado pela 10.ª comissão parlamentar (Trabalho e Segurança Social), presidida pelo deputado social-democrata Feliciano Barreiras Duarte.

Com base na análise aos fundos de compensação do trabalho, introduzidos em 2013, o investigador João Ramos de Almeida determinou que o emprego pouco evoluiu ao longo de oito anos, desde 2000, mas sofreu, com a recessão, entre 2011 e 2013.

"No novo emprego, os contratos permanentes são apenas um terço, ao contrário do passado, em que os contratos permanentes eram dominantes. A esmagadora maioria dos novos contratos são de ramos dos serviços e a remuneração média dos novos contratos está muito próxima do salário mínimo nacional, entre 2013 e 2017. A remuneração média dos contratos permanentes tem vindo também a baixar e a aproximar-se dos novos tipos de contratos, que contemplam uma miríade de formas de trabalho - de baixa duração, em permanente rotação", disse Ramos de Almeida, referindo-se às alterações à legislação laboral operadas pelo governo PSD/CDS-PP.

Segundo o especialista, "houve uma renovação dos contratos" e "cerca de 25% dos novos contratos criados até 2015 eram com menos de dois meses de duração, podendo abranger o mesmo trabalhador várias vezes".

"A partir de 2013, registou-se uma retoma do emprego, mas o nível salarial médio e de ganhos tem decrescido. Desde outubro de 2013 até maio de 2017 houve 3,3 milhões de novos contratos, 2,2 milhões contratos cessados", afirmou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon