Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Energia e indústria em destaque na promoção do Fundo de cooperação China-Países lusófonos

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/10/2017 Administrator

Energia e indústria foram hoje as áreas de investimento em destaque na ação de promoção do Fundo de Cooperação e Desenvolvimento China Países de Língua Portuguesa, que reuniu em Macau perto de uma centena de participantes.

Na intervenção inicial, o diretor dos Serviços de Economia de Macau, Tai Kin IP, afirmou esperar que as empresas do território possam "produzir vantagens multiplicadoras" para a exploração do mercado dos países lusófonos e "ampliar o espaço de desenvolvimento", nomeadamente nas áreas da energia e da indústria transformadora, em conjunto com as firmas do interior da China.

O objetivo desta ação de promoção é apresentar critérios e formas de investimento, procedimentos de candidatura e ambiente de investimento nos países de língua portuguesa aos empresários de Macau, disse.

A instalação da sede do Fundo em Macau "contribui para a participação das empresas" locais em projetos realizados em países lusófonos e traz "novos destaques para o desenvolvimento financeiro com caraterísticas próprias de Macau" e "promove o desenvolvimento diversificado da economia" da Região Administrativa Especial chinesa, acrescentou Tai Kin Ip.

Iniciativa de cooperação anunciada em 2010, o Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa viu o seu papel reforçado com o anúncio, em 2010, da instalação do Fundo em Macau, o que "contribui para implementar ainda mais o apoio do Estado [chinês] aos trabalhos" de construção de Macau como plataforma de serviço para a cooperação comercial entre Pequim e o bloco lusófono.

A instalação do Fundo, criado oficialmente em junho de 2013, foi concretizada já este ano em Macau.

A subdiretora do departamento para os Assuntos Económicos e encarregada da divisão de Comércio do Gabinete de Ligação em Macau, Chen Xing, lembrou que desde a criação do fundo se registou uma "subida drástica" da cooperação económica entre a China e o bloco lusófono [Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste].

"Muitas empresas de países de língua portuguesa abriram sucursais na China, que também está a realizar muitas obras em países de língua portuguesa, no valor de nove mil milhões de dólares" norte-americanos, disse a responsável, sublinhando que esta cooperação abrange áreas como marítima, tecnologia, recursos humanos, financeira e medicina, entre outras.

Com a iniciativa "uma Faixa, uma Rota" e a necessidade de industrialização dos países de língua portuguesa, o Fundo de Cooperação e Desenvolvimento China-Países de Língua Portuguesa ajuda Macau a desempenhar o papel de plataforma.

Pequim estabeleceu a Região Administrativa Especial de Macau como plataforma para a cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003, ano em que criou o Fórum Macau, que se reúne a nível ministerial de três em três anos.

Por seu lado, a representante do Fundo, Jin Guanze, destacou os projetos no Brasil, Angola e Moçambique, no valor de 650 milhões de dólares norte-americanos, como resultado da crescente promoção que reforça a capacidade do Fundo, para a qual destacou também a importância do desenvolvimento do projeto de integração regional Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

Até julho passado, as trocas comerciais entre a China e os países de língua portuguesa subiram 31,29%, em termos anuais homólogos, atingindo 67,61 mil milhões de dólares (56,6 mil milhões de euros), de acordo com dados dos Serviços de Alfândega chineses.

O Brasil manteve-se como o principal parceiro económico da China, seguindo-se Angola e em terceiro lugar Portugal.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon