Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Equador corta salários de altos cargos, vende edifícios e avião para combater crise

Logótipo de O Jogo O Jogo 08/08/2017 Administrator

O Presidente do Equador anunciou, na segunda-feira, um conjunto de medidas de austeridade que incluem reduzir os salários mais elevados de funcionários, vender edifícios públicos e mesmo um dos dois aviões presidenciais.

"A situação económica requer medidas de austeridade, sim, mas [que] não afetem os mais pobres da pátria. Já o disse e mantenho", afirmou Lenín Moreno, numa mensagem transmitida pela televisão.

"Estou disposto a pôr à venda um dos dois aviões que a presidência usa para as deslocações das autoridades máximas e de altos funcionários", afirmou o chefe de Estado, acrescentando que "os automóveis de luxo do Governo serão vendidos imediatamente".

Moreno, que tomou posse em maio, ordenou ainda o corte "em 10% do salário de todos os funcionários públicos de nível hierárquico superior, ou seja, aqueles que recebem uma remuneração mais elevada", detalhou o chefe de Estado equatoriano.

Também vão ser vendidos "todos os bens imóveis" na posse da empresa estatal Inmobiliar e o dinheiro angariado com as transações investido no programa "Casa para Todos", uma iniciativa governamental para gerar emprego e oferecer o "acesso à habitação às famílias mais pobres do país".

"A recuperação da economia ainda é subtil e para se conseguir que seja permanente precisamos do esforço de todos. Com ações económicas criativas e, repito, pensando sempre nos mais pobres, seguiremos em frente", sublinhou Lenín Moreno.

O Presidente equatoriano também indicou que o Governo vai cumprir todas as "obrigações internas e externas" e transmitiu aos investidores uma mensagem de confiança, afirmando que os "seus direitos serão respeitados".

"A nossa palavra será sempre honrada", frisou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon