Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Escola Avelar Brotero, em Odivelas, vai ter obras - Câmara

Logótipo de O Jogo O Jogo 10/07/2017 Administrator

A escola básica 2,3 Avelar Brotero, em Odivelas, onde estudam cerca de 400 alunos, vai ser alvo ainda este ano de uma intervenção para fazer face ao "elevado estado de degradação", anunciou hoje a Câmara Municipal.

Em declarações à agência Lusa, a vereadora com o pelouro da Educação na Câmara Municipal de Odivelas (distrito de Lisboa), Fernanda Franchi (PS), referiu que já existe um compromisso entre o Governo e a autarquia para que se resolvam "os problemas mais urgentes" daquela escola.

"A Câmara Municipal de Odivelas não tem competência direta nesta escola, mas preocupa-se bastante e tem feito ao longo destes anos tudo aquilo que era possível para que a situação fosse resolvida", sublinhou.

Nesse sentido, a autarca explicou que está prevista a substituição do telhado, das janelas e dos estores, uma intervenção orçada em 130 mil euros.

Fernanda Franchi referiu que a substituição do telhado será feita ainda antes de se iniciar o próximo ano letivo.

O esclarecimento da Câmara Municipal de Odivelas à agência Lusa surge na sequência de um anúncio do PCP de que tinha entregue no Parlamento um projeto de resolução para a realização de obras urgentes na escola básica 2,3 Avelar Brotero.

Em comunicado, o grupo parlamentar do PCP refere que este estabelecimento escolar "atingiu um elevado estado de degradação", uma situação reconhecida "pelo menos há oito anos".

O elevado estado de degradação levou a que em 2009 fosse celebrado um acordo de colaboração entre o Ministério da Educação e a Câmara Municipal de Odivelas para a sua substituição. O acordo estabelecia que a construção das instalações da escola deveria iniciar-se no prazo máximo de quatro meses", refere a nota.

A esse respeito, Fernanda Franchi esclareceu que em 2009 a obra não avançou porque a verba disponibilizada pela Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGESTE) "era insuficiente".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon