Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Espécies marinhas japonesas atravessaram o oceano Pacífico em detritos de plástico

Logótipo de O Jogo O Jogo 28/09/2017 Administrator

Investigadores descobriram no Havai e nas costas da América do Norte espécies marinhas japonesas que atravessaram o Oceano Pacífico em detritos de plástico, resultantes do terramoto e tsunami de março de 2011.

Num estudo publicado hoje na revista Science, investigadores da Universidade Estadual de Oregon, Estados Unidos, revelam um novo papel dos detritos marinhos não-biodegradáveis, relacionado com o transporte de espécies invasoras.

Entre 2012 e 2017 foram documentadas quase 300 espécies de animais marinhos que chegaram vivos à América do Norte e ao Havai em objetos, como vasos, boias e caixas de plástico, lançados ao mar na sequência do tsunami que ocorreu no Japão em março de 2011 e que provocou o acidente nuclear de Fukushima.

Estas espécies, além de sobreviverem a uma longa viagem no Pacífico Norte, num ambiente que os investigadores classificam como hostil, sobreviveram durante pelo menos mais quatro anos do que as espécies estudadas em observações anteriores.

No final da primavera de 2017, seis anos depois do tsunami, continuavam a chegar à América do Norte e ao Havai detritos marinhos com espécies japonesas vivas.

"Alguns destes organismos podem ser extraordinariamente resilientes", afirma na Science o investigador John Chapman, relembrando a surpresa da descoberta de espécies japonesas nas costas do estado de Oregon pela primeira vez.

Entre 2012 e 2014, chegaram ao Oregon e a outras zonas costeiras pedaços de madeira de casas e outros edifícios que traziam espécies japonesas, mas os desembarques de madeira diminuíram drasticamente após 2014.

Este declínio chamou a atenção da equipa de cientistas para o facto de que eram os detritos não-biodegradáveis, como plásticos ou fibras de vidro, que continuavam a permitir a sobrevivência e transporte a longo prazo de espécies não-nativas.

Por outro lado, a investigação sugere também que a urbanização costeira e as tempestades, incluindo os recentes furacões e cheias em todo o mundo, podem implicar um crescimento significativo do papel dos detritos marinhos enquanto veículos para espécies invasoras.

"Considerando que podem entrar nos oceanos mais de 10 milhões de toneladas de plástico todos os anos, e considerando que se prevê o aumento de furacões e tufões, capazes de arrastar grandes quantidades de detritos, há um grande potencial para o aumento significativo da quantidade de detritos nos oceanos", explica James Carlton, autor principal do estudo.

O investigador acrescenta ainda que estes dados merecem uma atenção crescente, tendo em conta o custo económico e os impactos ambientais documentados da proliferação de espécies marinhas invasoras em todo o mundo.

Os investigadores estão a classificar a travessia do pacífico por espécies marinhas transportadas em resíduos de plástico como uma das maiores experiências não planeadas da biologia marinha, talvez na história da ciência.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon