Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Estado guineense gasta seis milhões de euros/mês em salários com funcionários

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/07/2017 Administrator

A Guiné-Bissau gasta mensalmente seis milhões de euros em pagamentos de salários aos cerca de 32.000 funcionários públicos existentes no país, disse hoje à agência Lusa o ministro das Finanças, João Fadiá.

"Nós gastamos neste momento, por causa dos professores que subiram para cerca de 12 mil, 4,1 mil milhões de francos cfa", afirmou o ministro.

Questionado pela Lusa sobre se está previsto um aumento salarial, o ministro explicou que "não está no horizonte aumentar, mas ajustar algumas disparidades entre algumas profissões e algumas situações pontuais".

"Penso que por uma questão de justiça salarial deve haver uma certa renovação", salientou.

Para isso, em janeiro o Governo criou uma comissão que está a estudar a tabela salarial.

"O que se pretende fazer é encontrar uma maior equidade e equilíbrio na tabela. Hoje há tabelas paralelas. Não estamos contra, mas é preciso ter em conta que todos prestam o mesmo serviço ao Estado", disse, indicando que o trabalho ainda não está concluído.

Para o ministro João Fadiá, o Governo até podia ter "condições de pagar bons salários, mas o problema que se põe é o número de empregados que existem na Função Pública".

"São cerca de 32.000 funcionários públicos, entre os quais 12.000 do setor da educação", disse.

Sobre os denominados "funcionários fantasmas", o ministro explicou que, por exemplo, já fez três tentativas e ainda não conseguiu ter a lista definitiva do número de funcionários afetos ao seu ministério, porque existem os "chamados efetivos, os contratados, noutras situações, irregulares, estagiários".

"Era bom que de facto o setor empresarial pudesse ter outra dinâmica e dimensão e absorver a mão-de-obra que existe. O Estado sozinho não pode. Há pessoas aqui em regime de estagiário há 10 anos (sem auferirem qualquer rendimento)", lamentou o ministro, sublinhando que não é uma situação fácil e cómoda.

Em janeiro, o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, já tinha pedido ao Governo "reformas urgentes" no setor da Função Pública, afirmando que na atual situação todo o dinheiro arrecadado pelo Estado serve para o pagamento de salários.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon